quarta-feira, 2 de março de 2016

Em coletiva após prisão de suspeitos de envolvimento em tortura e execução de presos sequestrados da delegacia de Buriti, delegado revela detalhes do crime.


“eles tiveram seus olhos perfurados, as orelhas arrancadas, mãos e pés decepados, e foram eviscerados [vísceras arrancadas]. Tudo isso em vida", declarou.

Para o delegado, foi um dos crimes mais cruéis do PI; foram 12 horas de tortura. Em entrevista coletiva, na manhã da ultima terça-feira (01), na Direção Geral da Polícia Civil do Piauí, em Teresina, foram apresentados à imprensa os seis suspeitos do sequestro, tortura e execução dos dois presos da Delegacia de Buriti, que foram encontrados mortos em Miguel Alves/PI. As vítimas estavam presas na Depol de Buriti/MA por suspeita de participação na morte do empresário Kaleu Torres, que tem seus familiares na pequena cidade piauiense.

Na operação conjunta entre a Polícia Civil do Piauí e do Maranhão, várias prisões foram executadas, além de apreensões. Os presos foram: a professora Claudiane Lopes do Nascimento Pereira; o instrutor de academia José Iranilton Silva e sua esposa, a professora Sandra Vaz da Silva; o lavrador Eder Jerônimo Vaz; todos amigos de infância do empresário Kaleu; também o irmão de Kaleu, o granjeiro Vítor Pontes Fortes Torres; seu padrasto, o autônomo Marcones Plínio Araújo; além da viúva do empresário, Fernanda Costa Pereira, que, por decreto da Justiça do maranhão, cumprirá pena no presídio de Pedrinhas, em São Luís-MA.
Continua...



O delegado Willame Moraes, gerente de policiamento do interior do Piauí declarou, na coletiva, que este foi um dos crimes mais cruéis que ele já viu em sua carreira e que os dois sequestrados, Cafuringa e Sabino, ficaram vivos durante 12 horas, sendo torturados na cidade de Miguel Alves/MA, em 14 de fevereiro deste ano.

"Poucas vezes na minha carreira como delegado eu vi algo assim. Eles foram tratados de forma muito cruel. Os dois tiveram seus olhos perfurados, as orelhas arrancadas, mãos e pés decepados e foram eviscerados [tiveram as vísceras retiradas]. Tudo isso em vida", declarou. De acordo com o delegado Willame, há, inclusive, possíveis de áudios do momento da tortura circulando pelas redes sociais.

O delegado titular de Buriti (MA), Dr. Josemar Rocha, disse que mais pessoas, além dos seis já presos no Piauí, podem ter participado da tortura.  "Eles irão responder pelo homicídio triplamente qualificado, foi um caso de emprego de extremo sofrimento a essas duas pessoas. Além dos presos, nas nossas investigações acreditamos que há mais pessoas que participaram desse homicídio. Vamos apurar isso e novas prisões ainda devem acontecer. Muitas diligências que ainda serão feitas estão sob segredo de Justiça", declarou o delegado do Maranhão.

O motivo das prisões

Sandra foi presa por receptação, em flagrante, porque estava com a moto usada no crime, que é roubada.  Vítor é irmão e os demais são amigos de infância de Kaleu Torres, empresário morto em Buriti (MA), no dia 9 de fevereiro deste ano. Sabino e Leonardo seriam os autores do homicídio. A viúva do empresário, Fernanda Costa Pereira, também foi presa, mas por decreto da Justiça do Maranhão, ela cumprirá pena no presídio de Pedrinhas em São Luís (MA). Ela teria fornecido um dos veículos usados no crime.

Entenda o caso:

Na madrugada do dia (09) de fevereiro, por volta de 1h, o empresário Kaleu Torres, dono do Varejão do Povo, foi morto com uma facada abaixo do peito esquerdo. A confusão teria começado ainda no Corredor da folia de Buriti (MA) quando, segundo testemunhas, o empresário teria derrubado, acidentalmente, uma garrafa de bebida de um grupo de jovens que residiriam no bairro Bacuri. Inconformados os caras teriam iniciado um tumulto e um quebra-quebra de garrafas.

 Kalleu Torres, então, foi perseguido por vários marginais e acabou sendo atingido por um furo profundo de faca, de aproximadamente um dedo, e ainda tentava escapar quando foi derrubado em frente à Pizzaria Big Brother, no final da Praça Matriz, e agredido violentamente por parte dos que o perseguiram. A Samu foi chamada, mas ele não resistiu e morreu ainda no local.

Dois suspeitos, Sabino Neto e Cafuringa, foram presos logo após o ocorrido por terem sido reconhecidos por testemunhas oculares. A polícia inicia investigação e ainda tem outros nomes que devem ser indiciados como coautores.

Diante da gravidade do ocorrido, o prefeito de Buriti, Rafael Mesquita Brasil, cancelou a última noite de carnaval e divulgou uma nota de pesar à morte do empresário e justificou o cancelamento.

Na madrugada de (14) de fevereiro, três pessoas, uma mulher e dois homens, convenceram o carcereiro a abrir o portão de entrada da Delegacia (Depol), simulando que registrariam um boletim de ocorrência. Quando entraram, eles renderam o carcereiro e o forçaram abrir a cela onde estavam Sabino e Cafuringa.

Eles os algemaram, nos pés e nas mãos, puseram em uma camionete e saíram. No dia seguinte, 15 de fevereiro, os corpos dos dois sequestrados foram achados boiando, mortos com sinais de crueldade, com membros arrancados, em uma lagoa, no povoado Pitombeira, no município de Miguel Alves (PI), terra natal do empresário Kalleu Torres, a 38 quilômetros de Buriti/MA.

Irmão de Kalleu. 
Do Blog do Correio Buritiense.

2 comentários:

  1. Muito bem! Pra ir atrás de latrocidas assaltantes vcs( polícia) ñ c engajao só fazem o básico e pronto, ++++++ pra ir atrás de matador de vagabundos é polícia civil do MA do PI é SEIC é o GARRA só faltou o CORSA e o BOPE!
    parabéns.......... €£¥₩%☆♧♣:-D

    ResponderExcluir
  2. Os dois deviam morrer mesmo, mas não dessa forma. bastava um tiro na nuca de cada um.

    ResponderExcluir