segunda-feira, 23 de maio de 2016

Chacina em Panaquatira que vitimou a poçãopedrendrense Ananda Brasil, completa um ano; relembre os fatos



Em 23 de maio de 2015, grupo de amigos fazia festa quando houve invasão.

Cinco pessoas morreram, entre elas, uma jovem de Poção de Pedras, e três ficaram feridas.
Ananda Brasil
Nesta segunda-feira (23), a chacina em Panaquatira, orla do município de São José de Ribamar (MA), Região Metropolitana de São Luís, completa um ano.  Na noite do sábado, 23 de maio de 2015, um grupo de amigos passava o fim de semana na casa de praia quando o local foi invadido por seis homens armados. Três pessoas ficaram feridas e cinco morreram, entre elas a jovem natural de Poção de Pedras, Ananda Brasil.
Última foto de Ananda Brasil ainda com vida
Cinco pessoas morreram durante assalto em Panaquatira 
Uma das vítimas, o soldado Max Muller Rodrigues de Carvalho, de 27 anos, do 6º Batalhão da Policia Militar (BPM), reagiu e trocou tiros com os invasores. O policial, o promotor de eventos Alexsandro Vieira de Carvalho, 36, a estudante Ananda Brasil Meireles, 21, e dois assaltantes morreram no tiroteio.
Chacina em casa de praia em Panaquatira
Em abril de 2016, Giandro Silva Santos foi o sétimo suspeito por ter participado da chacina preso. Outros quatro suspeitos foram presos. Dois adolescentes também foram apreendidos.


Cortejo fúnebre de Ananda Brasil, em Poção de Pedras 

Relembre a cronologia da chacina de Panaquatira, em continua...

No local da chacina, era realizada uma festa
23 de maio de 2015

Cinco pessoas morreram e três ficaram feridas durante um assalto a uma casa no residencial Ponta Verde em Panaquatira, orla de São José de Ribamar. Seis homens armados cercaram e invadiram a casa de praia, onde era realizada uma festa.

O policial Max Muller reagiu ao assalto e conseguiu balear um dos criminosos, que morreu no local. Max acabou alvejado e morto por outro suspeito.

24 de maio de 2015

A Polícia Militar apreendeu um adolescente de 17 anos suspeito de participar do assalto em Panaquatira. Ele estava no velório de um dos assaltantes mortos no conflito quando foi encontrado pela polícia. O jovem confessou a participação no crime e entregou à polícia o nome dos outros quatros criminosos que também estavam na ação. Um deles seria o ex-presidiário acusado tráfico de drogas, Giandro da Silva Santos.

25 de maio de 2015

No mesmo dia, foram sepultados os corpos do produtor musical Alexandro Carvalho na cidade de Anapurus, a 280 km de São Luís; da estudante universitária Ananda Brasil, também vítima do assalto, em Poção de Pedras, a 250 km da capital maranhense.
Ananda Brasil foi sepultada no cemitério de Poção de Pedras no dia 25 de abril
27 de maio de 2015

Um dos sobreviventes do assalto a uma casa de veraneio quebra o silêncio e revela o que fez para sobreviver ao ataque dos seis criminosos que participaram da ação que durou pelo menos 15 minutos:  a vítima conta que fingiu estar morto para escapar de chacina.

A polícia do Maranhão pediu a prisão de oito suspeitos de envolvimento no assalto que deixou cinco mortos em uma casa de veraneio em Panaquatira.

em Panaquatira.
28 de maio de 2015
Joseane Aires da Costa é presa por suspeita de participar de chacina
Foi presa a caseira Joseane Aires da Costa, suspeita de ter envolvimento na chacina ocorrida na casa de praia em Panaquatira. Ela foi presa em sua própria residência, pela Polícia Civil.
Joseane teve a prisão decretada em virtude dos depoimentos que apontavam ela como ajudante no crime e também pelo grau de parentesco entre ela e o Josinaldo Aires da Costa, morto pelo policial Max Muller.

30 de maio de 2015

Uma caminhada reuniu cerca de 100 parentes e amigos das vítimas da chacina na avenida Litorânea, em São Luís Eles se vestiram de branco e caminharam em protesto pedindo paz. Policiais também acompanhavam a caminhada, a maioria sem farda.

12 de novembro de 2015
Cleonilson de Sousa Almeida foi preso suspeito de ter participado da chacina que matou cinco pessoas. Ele foi abordado pela Polícia Militar e detido no bairro Miritiua, Região Metropolitana de São Luís.

O suspeito estava em posse de um celular com mensagens oferecendo armas para presos da Penitenciária de Pedrinhas. Ele foi o sexto preso suspeito de envolvimento no crime.

22 de abril de 2016


Ele foi apontado como ex-presidiário acusado tráfico de drogas por um dos adolescentes suspeitos apreendidos.

Com informações do G1 e Fernando Melo


0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário