terça-feira, 26 de julho de 2016

Mulher de promotor que trabalhou em Lago da Pedra acusa Ministério Público de perseguição e diz que estão passando fome


Promotor Carlos Serra Martins
Mais um caso de perseguição envolvendo o Ministério Público do Maranhão (MPMA) foi denunciado. O primeiro foi da promotora de Justiça de Defesa do Consumidor de São Luis/MA, Lítia Cavalcante.

Por meio de e-mail, o Blog do Luis Pablo recebeu uma denúncia encaminhada por Célia Letícia Sousa, que identificou-se como esposa do promotor de Justiça, Carlos Serra Martins, que já trabalhou na Promotoria de Lago da Pedra (MA).

Segundo ela, o marido tem sido vítima de perseguição por não ser político e não concordar com situações que ocorrem dentro do órgão.

Célia Letícia fez uma comparação ao caso da promotora Lítia Cavalcante, que denunciou a Corregedoria do MP.

A esposa do promotor disse que com Lítia Cavalcante o Ministério Público quer a “preservação da imagem do membro do MP investigado” – citando a nota de esclarecimento que o órgão emitiu sobre a denúncia da promotora.

Mas com seu marido, Carlos Serra, foi tudo completamente diferente. “Em qual momento o MP/MA em sua corregedoria e sua procuradoria preservou a imagem do meu esposo? Em que lhe execrou publicamente noticiando coisas maldosas, inverídicas e inescrupulosas? Sem trânsito em julgado? Sem um procedimento legal? Sem a ampla defesa? Porque são vinganças pessoais!”, disse.

A mulher do promotor Carlos Serra chega a dizer que pegou comida do lixo, por que o marido está há meses sem receber seus vencimentos. “O ministério público é político, perseguindo quem contraria sua vontade! Ficamos nove meses sem salário, pegamos comida do lixo, uma punição sem ampla defesa… e agora mais 3 meses sem vencimentos porque o meu esposo denunciou uma quadrilha dentro do próprio órgão, que o CNMP [Conselho Nacional do MP] ao invés de apurar, arquivou e ainda o puniu com mais 3 meses sem vencimentos.”

Denúncias contra o promotor, em continua...


Em 2014, o promotor de Justiça Carlos Serra Martins, de 46 anos, teve sua prisão preventiva solicitada à Justiça pelo próprio Ministério Público do Maranhão. No mesmo pedido, também foi solicitado seu afastamento do cargo, sendo suspensas as suas prerrogativas, inclusive o porte de arma. Um ano antes também foi afastado de suas funções por 90 dias.


No ano passado, o Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP), determinou a aplicação da perda do cargo do promotor.

Com informações do Blog do Luís Pablo

4 comentários:

  1. Se os órgãos que deveriam nos defender estão assim a quem poderemos recorrer?

    ResponderExcluir
  2. Se isso for verdade, é um caso muito sério.

    ResponderExcluir
  3. Nós,pessoas der bem nesse país estamos cada dia mais envergonhados com o rumo que nosso país vêm caminhando onde essa maldita forma de fazer política "corrupta" age como um câncer de metástase que se espalha por todos os segmentos até mesmo em órgãos que devem defender os cidadãos e manter a ordem e a vergonha.

    ResponderExcluir
  4. Quem conhece o Promotor Carlos Serra Martins,sabe que ele é um homem de opiniões fortes,que jamais seria venal.
    Muitos amigis assistem passivos,sem possibilidades de ajudà lo. Esse homem ja sofreu o pão que o diabo amassou. Até parece que salgou a "santa"ceia dos seus comandantes de MP

    ResponderExcluir