sábado, 17 de junho de 2017


Apesar de alianças do PMDB, Temer tenta ligar o sucesso da JBS às gestões petistas
  
Michel Temer e Joesley Batista

Depois de ser chamado por Joesley Batista, dono da JBS, de líder da "maior e mais perigosa organização criminosa" do país, o presidente Michel Temer disse que o empresário é "o bandido notório de maior sucesso na história brasileira". Neste sábado, o Palácio do Planalto afirmou que a JBS tinha "milhões de razões" para odiar o governo Temer, e tentou associar o crescimento da empresa somente aos governos petistas, dos quais o partido de Michel Temer era aliado. Michel Temer disse que irá processar Joesley Batista.

"Os fatos elencados demonstram que o senhor Joesley Batista é o bandido notório de maior sucesso na história brasileira", diz o comunicado do Planalto, que nega que Temer tenha feito pedidos ao empresário. "Ele (Joesley) diz que o presidente sempre pede algo a ele nas conversas que tiveram. Não é do feitio do presidente tal comportamento mendicante".

O ministro Moreira Franco (Secretaria-Geral da Presidência) também divulgou uma nota na qual afirma que o dono da JBS, Joesley Batista, tem "desenvoltura em mentir". Moreira disse ter se encontrado apenas uma vez com o delator em uma viagem de trabalho e afirma que não ter tido relacionamento com o empresário.
Mais em continua...


"É surpreendente a ousadia e a desenvoltura em mentir do contraventor Joesley Batista. Estive com ele uma única vez, em um grupo de brasileiros, numa viagem de trabalho em Pequim, ocasião em que me foi apresentado. E nunca mais nos encontramos. Seu juízo a meu respeito é o de quem quer prestar serviço e para tal, aparenta um relacionamento que nunca existiu", afirma Moreira, em nota.

O peemedebista — investigado no Supremo Tribunal Federal por corrupção passiva, organização criminosa e obstrução de Justiça — afirmou que nesta segunda-feira, próximo dia útil, processará Joesley civil e penalmente, para reparar danos à Presidência e ao Brasil.

"O governo não será impedido de apurar e responsabilizar o senhor Joesley Batista por todos os crimes que praticou, antes e após a delação", promete.

À revista "Época", o delator ataca o presidente e diz que ele é chefe da maior organização criminosa nacional. “Essa é a maior e mais perigosa organização criminosa desse país. Liderada pelo presidente”, declarou Joesley. “O Temer é o chefe da Orcrim (organização criminosa) da Câmara. Temer, Eduardo, Geddel, Henrique, Padilha e Moreira. É o grupo deles. Quem não está preso está hoje no Planalto”.

Joesley ainda declarou que sempre teve livre acesso a Temer, e que ele lhe telefonava e chamava para conversar. Para Batista, Temer o via como meio de obter propina. “Acho que ele me via como um empresário que poderia financiar as campanhas dele — e fazer esquemas que renderiam propina. Toda vida tive total acesso a ele. Ele por vezes me ligava para conversar, me chamava, eu ia lá”, disse Joesley Batista, emendando:

“O Temer não tem muita cerimônia para tratar desse assunto. Não é um cara cerimonioso com dinheiro”.

Como no primeiro pronunciamento de Temer após o GLOBO mostrar que ele deu aval para que Joesley comprasse do silêncio de Eduardo Cunha na cadeia, o Planalto condenou os termos da delação. Na prática, também é um ataque ao Ministério Público, que conduz o processo.

"(Joesley) Conseguiu enriquecer com práticas pelas quais não responderá e mantém hoje seu patrimônio no exterior com o aval da Justiça. Imputa a outros os seus próprios crimes e preserva seus reais sócios." O acordo de leniência da JBS ficou em R$ 10,3 bilhões. O MP defende que é "o montante é o maior decorrente de acordos de leniência já firmados no Brasil e no mundo". A Odebrecht pagou R$ 3,28 billhões. A Braskem, R$ 3,1 bilhões, enquanto a Andrade Gutierrez desembolsou R$ 1 bilhão.

Além de ironizar o acordo de leniência da JBS e de colaboração premiada de seus executivos, o Palácio do Planalto tenta atrelar o salto financeiro da multinacional a mandatos petistas na Presidência. Sem mencionar nomes dos ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff — aliados do PMDB, partido presidido por Temer por 15 anos —, a Presidência cita a trajetória da JBS a partir de 2005, no fim do primeiro governo Lula, até 2016, com Dilma. Temer era vice da petista a partir de 2011 e estava, portanto, no Palácio.

"Em 2005, o Grupo JBS obteve seu primeiro financiamento no BNDES. Dois anos depois, alcançou um faturamento de R$ 4 bilhões. Em 2016, o faturamento das empresas da família Batista chegou a R$ 183 bilhões. Relação construída com governos do passado, muito antes que o presidente Michel Temer chegasse ao Palácio do Planalto. Toda essa história de 'sucesso' é preservada nos depoimentos e nas entrevistas do senhor Joesley Batista".

Ainda sem citar nomes, o texto do Planalto fala que os "reais parceiros de sua trajetória de pilhagens, os verdadeiros contatos de seu submundo, as conversas realmente comprometedoras com os sicários que o acompanhavam, os grandes tentáculos da organização criminosa que ele ajudou a forjar ficam em segundo plano, estrategicamente protegidos".

Quando cita ações do governo Temer com a multinacional, a nota do Planalto coloca Temer como tendo barrado iniciativas da empresa, o que daria à companhia "milhões de razões" para ódio da gestão peemedebista.

"Em relação ao BNDES, é preciso lembrar que o banco impediu, em outubro de 2016, a transferência de domicílio fiscal do grupo para a Irlanda, um excelente negócio para ele, mas péssimo para o contribuinte brasileiro."

Também na nota, Temer afirmou que irá tomar "todas as medidas cabíveis" contra Joesley e que, já na próxima segunda-feira, vai protocolar ações civil e penal contra ele:

"O presidente tomará todas as medidas cabíveis contra esse senhor. Na segunda-feira, serão protocoladas ações civil e penal contra ele. Suas mentiras serão comprovadas e será buscada a devida reparação financeira pelos danos que causou, não somente à instituição Presidência da República, mas ao Brasil. O governo não será impedido de apurar e responsabilizar o senhor Joesley Batista por todos os crimes que praticou, antes e após a delação."

EM DEPOIMENTO, JOESLEY CONFIRMA ACUSAÇÕES

Nesta sexta-feira, Joesley Batista confirmou à Polícia Federal as acusações a Temer e ao ex-assessor especial da Presidência Rodrigo Rocha Loures — flagrado recebendo mala com R$ 500 mil, após ser indicado por Temer em gravação com Joesley.

A conversa de Joesley com Temer, tarde da noite no Palácio do Jaburu, sem registro de entrada ou de agenda oficial, mostra que o empresário relatou crimes ao presidente: suborno a um procurador da República, a manipulação de dois juízes, e pagamento de mesada ao ex-deputado Eduardo Cunha e ao operador financeiro Lúcio Bolonha Funaro. Além disso, Batista mostra interesse em cargos e decisões estratégicas do governo e pede a Temer para indicar um novo interlocutor. Isto porque, depois de demitido, Geddel estaria fora de jogo. Temer indica o então assessor Rocha Loures, filmado recebendo mala de dinheiro em São Paulo. Loures está preso.

LEIA A ÍNTEGRA DA NOTA

"Em 2005, o Grupo JBS obteve seu primeiro financiamento no BNDES. Dois anos depois, alcançou um faturamento de R$ 4 bilhões. Em 2016, o faturamento das empresas da família Batista chegou a R$ 183 bilhões. Relação construída com governos do passado, muito antes que o presidente Michel Temer chegasse ao Palácio do Planalto. Toda essa história de "sucesso" é preservada nos depoimentos e nas entrevistas do senhor Joesley Batista. Os reais parceiros de sua trajetória de pilhagens, os verdadeiros contatos de seu submundo, as conversas realmente comprometedoras com os sicários que o acompanhavam, os grandes tentáculos da organização criminosa que ele ajudou a forjar ficam em segundo plano, estrategicamente protegidos.

Ao bater às portas do Palácio do Jaburu depois de 10 meses do governo Michel Temer, o senhor Joesley Batista disse que não se encontrava havia mais de 10 meses com o presidente. Reclamou do Ministério da Fazenda, do CADE, da Receita Federal, da Comissão de Valores Mobiliários, do Banco Central e do BNDES. Tinha, segundo seu próprio relato, as portas fechadas na administração federal para seus intentos. Qualquer pessoa pode ouvir a gravação da conversa na internet para comprová-lo.

Em relação ao BNDES, é preciso lembrar que o banco impediu, em outubro de 2016, a transferência de domicílio fiscal do grupo para a Irlanda, um excelente negócio para ele, mas péssimo para o contribuinte brasileiro. Por causa dessa decisão, a família Batista teve substanciais perdas acionárias na bolsa de valores e continuava ao alcance das autoridades brasileiras. Havia milhões de razões para terem ódio do presidente e de seu governo.

Este fim de semana, em entrevista à revista Época, esse senhor desfia mentiras em série.

A maior prova das inverdades desse é a própria gravação que ele apresentou como documento para conseguir o perdão da Justiça e do Ministério Público Federal por crimes que somariam mais de 2 mil anos de detenção. Em entrevista, ele diz que o presidente sempre pede algo a ele nas conversas que tiveram. Não é do feitio do presidente tal comportamento mendicante. Quando se encontraram, não se ouve ou se registra nenhum pedido do presidente a ele. E, sim, o contrário. Era Joesley quem queria resolver seus problemas no governo, e pede seguidamente. Não foi atendido antes, muito menos depois.

Ao delatar o presidente, em gravação que confessa alguns de seus pequenos delitos, alcançou o perdão por todos seus crimes. Em seguida, cometeu ilegalidades em série no mercado de câmbio brasileiro comprando US$ 1 bilhão e jogando contra o real, moeda que financiou seu enriquecimento. Vendeu ações em alta, dando prejuízo aos acionistas que acreditaram nas suas empresas. Proporcionou ao País um prejuízo estimado em quase R$ 300 bilhões logo após vazar o conteúdo de sua delação para obter ganhos milionários com suas especulações

Os fatos elencados demonstram que o senhor Joesley Batista é o bandido notório de maior sucesso na história brasileira. Conseguiu enriquecer com práticas pelas quais não responderá e mantém hoje seu patrimônio no exterior com o aval da Justiça. Imputa a outros os seus próprios crimes e preserva seus reais sócios. Obtém perdão pelos seus delitos e ganha prazo de 300 meses para devolver o dinheiro da corrupção que o tornou bilionário, e com juros subsidiados. Pagará, anualmente, menos de um dia do faturamento de seu grupo para se livrar da cadeia. O cidadão que renegociar os impostos com a Receita Federal, em situação legítima e legal, não conseguirá metade desse prazo e pagará juros muito maiores.

O presidente tomará todas medidas cabíveis contra esse senhor. Na segunda-feira, serão protocoladas ações civil e penal contra ele. Suas mentiras serão comprovadas e será buscada a devida reparação financeira pelos danos que causou, não somente à instituição Presidência da República, mas ao Brasil. O governo não será impedido de apurar e responsabilizar o senhor Joesley Batista por todos os crimes que praticou, antes e após a delação."

Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República


8 comentários:

  1. tres governos que é uma piada

    GOVERNO FEDERAL

    GOVERNO DO MARANHÃO

    (GOVERNO)PREFEITO DE LAGO DO JUNCO

    KKKKKKKKKKKK será onde o Brasil o estado e município vão chegar com péssimos administradores

    ResponderExcluir
  2. Só no Brasil mesmo; um bandido e ladrão como esse Michel temer falar em processar alguém. O brasil tá correndo perigo nas mãos desse bandido.

    ResponderExcluir
  3. Este presidente é muito cara d pau

    ResponderExcluir
  4. Benedita D A Santos19 de junho de 2017 09:42


    Eu estou achando esse tal de Joeslei um fanfarrão acho que ele está é querendo é mídia, eu não acredito em nenhum desses políticos aliás eu odeio política. Não sei quem mente mais nessa história sem fim....

    ResponderExcluir
  5. É muita cara de pau esse TEMER PILANTRA

    ResponderExcluir
  6. Infelizmente e nosso Brasil. Um presidente investigado e continua na presidência

    ResponderExcluir
  7. vc vai processar Joesley tal não seja condenado o Brasil já decretou a sua sentença e de outros mas vcs irá pagar que estão fazendo com o povo

    ResponderExcluir
  8. Daqui a pouco os ladrões vão processar as pessoas que nao tem nada de valor pra ser roubaDO.

    ResponderExcluir

Facebook

Visualizações deste blog desde março de 2012

Em Pedreiras e Trizidela do Vale


,

Hotel em Pedreiras


Motos Honda


Matricule-se no Faculdade W. F.



Excursão para Jericoacoara


Motel em Pedreiras


Contrate Banda Skema 5 de Pedreiras



Cacau Show em Pedreiras


Provedor de internet



+ Lidas