quinta-feira, 24 de agosto de 2017
Mário Jorge, era apelidado de
Super Prefeito de Esperantinópolis
O ex-prefeito de Esperantinópolis, Mário Jorge Silva Carneiro, foi condenado a ressarcir o dano causado aos cofres públicos, decorrente de condenação do Município em reclamação trabalhista feita por servidor contratado e mantido irregularmente, por mais de três anos, por sua gestão.

A decisão da 5ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Maranhão (TJMA), entretanto, excluiu as sanções de pagamento de multa civil, suspensão dos direitos políticos e proibição de contratar com o Poder Público, fixadas em primeira instância. O órgão colegiado entendeu que houve excesso na sentença de 1º Grau, considerando que houve a efetiva prestação de serviço por parte do servidor e que a conduta ímproba não resultou em enriquecimento ilícito do gestor responsável.

Ao apelar ao TJMA contra a sentença da Vara Única da Comarca de Esperantinópolis, o ex-prefeito alegou, preliminarmente, ilegitimidade do Ministério Público do Maranhão (MPMA) para ajuizar a ação. No mérito, defendeu a inexistência de conduta de improbidade, por ser necessária a demonstração de dolo genérico e que não houve dano ao erário ou seu enriquecimento ilícito. Sustentou que havia Lei Municipal que autorizava a contratação.
Mais em continua...

O desembargador Ricardo Duailibe (relator) não acolheu a preliminar apresentada e reconheceu a legitimidade do MPMA. No mérito, disse que o então prefeito iniciou sua gestão em 1º de janeiro de 2005, tendo sido reeleito e iniciado seu segundo mandato em 1º de janeiro de 2009. Do mesmo modo, a contratação considerada ilegal ocorreu de 1º de março de 2007 a 31 de dezembro de 2010.

Duailibe frisou que a contratação do funcionário ocorreu sem prévia realização de concurso público e nem sequer foi precedida de processo seletivo, além de que o ex-gestor não comprovou a alegação de que havia legislação municipal disciplinando as contratações temporárias.

Para o relator, ficou demonstrada a má-fé ao manter o servidor no quadro de pessoal do Município por mais de três anos, caracterizando-se a presença de dolo genérico. Lembrou que o Município foi condenado ao pagamento de verba fundiária e recolhimento da contribuição previdenciária, em reclamação trabalhista movida pelo servidor, considerando indiscutível a lesão aos cofres públicos.

O relator concluiu pela exclusão das demais sanções, consideradas excessivas, e deu provimento parcial ao apelo do ex-prefeito, mantendo o ressarcimento do dano aos cofres públicos, entendimento este acompanhado pelo desembargador José de Ribamar Castro e pelo juiz Gilmar Everton Vale, convocado para compor quórum. (Processo em 2º Grau nº 13.659/2017 - Esperantinópolis). 

Em nota ao blog, o ex super-prefeito informou que tem como pagar e vai pagar o que exigiu a Justiça.

Fonte: TJMA

10 comentários:

  1. super rato seria o nome mais apropriado pra quem está sendo condenado por desvios de verbas

    ResponderExcluir
  2. Esse Mario Jorge é um mala
    ... rato de esgoto

    ResponderExcluir
  3. Amigo todos ex-prefeitos são ladrões e ratos. Agora a gente tem que escolher o rato menos sujo.

    ResponderExcluir
  4. Esta dando uma de coitado lambendo bota do pe de anjo me compra um bode mario jorge

    ResponderExcluir
  5. respeita quem já foi rei tá

    ResponderExcluir
  6. Ele foi cacique e nao rei

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. alguém sabe dizer o valor desviado ah e os postos de combustíveis que ele tem em Palmas TO

      Excluir
    2. nunca cacique foi rei agora é réu kkkkkkk

      Excluir
    3. mas um pra lista negra dos inelegíveis

      Excluir
    4. mas um pra lista negra dos inelegíveis

      Excluir

Facebook

Visualizações deste blog desde março de 2012

Festival de Sanfona do Lucindo


Em Pedreiras e Trizidela do Vale


,

Matricule-se no Faculdade W. F.



+ Lidas