sexta-feira, 2 de fevereiro de 2018

Médico que se negou a atender bebê em hospital de Pinheiro é transferido para presídio



O médico Paulo Roberto Penha Costa, de 44 anos, preso na madrugada desta quinta-feira (1º) acusado de omissão de socorro a um recém-nascido, foi encaminhado para a Unidade Regional Prisional de Pinheiro por não pagar uma fiança estipulada em 50 salários mínimos.

O recém-nascido acabou morrendo no pátio da Delegacia Regional de Pinheiro, segundo os policiais que atenderam o caso e uma enfermeira que aparece em um vídeo gravado pelos agentes. Ela relata que, por conta da urgência, foi preciso encaminhar o bebê ao hospital mais próximo.

“A gente veio lá de São Bento. É uma criança que nasceu com sofrimento fetal […] A gente estava na porta do Materno Infantil, aí chegou a enfermeira. Veio de lá dizendo que o médico não podia atender porque eles não estavam recebendo pacientes da cidade de São Bento, que a filial era Viana. Só que o bebê está com quase nada de batimento […] O SUS é universal, tem que atender”, diz a enfermeira, no vídeo.
Continua...

Por telefone, o coronel Vieira Aquino, comandante de polícia da região de Pinheiro e cidades próximas, reforçou a versão dada pelos policiais que atenderam a ocorrência.

“A polícia foi acionada para averiguar uma situação que estava acontecendo no hospital. Chegando lá, a ambulância de São Bento já estava com a situação que o motorista e os enfermeiros informaram aos policiais”, disse Aquino.

“A guarnição foi conversar com o médico para saber por que ele não estava querendo atender a criança. O médico disse que não ia atender porque o caso era de outra cidade, que não podia, que não tinha como, mesmo tendo conhecimento de que o caso era grave. O policiais, dentro da lei, solicitaram a ele que os acompanhasse até a delegacia […] Ele disse que não ia. Aí teve que ser usada a força necessária para poder fazer a remoção dele”, continuou o coronel.

O médico foi levado à delegacia de Pinheiro para prestar esclarecimentos sobre a omissão de socorro e foi autuado por homicídio culposo.

O delegado Carlos Renato disse que vai analisar imagens de câmeras de segurança e um laudo do Instituto Médico Legal (IML) para descobrir se o recém-nascido chegou morto ao hospital.

“Vamos aguardar o laudo pericial do Instituto Médico Legal (IML) para a questão de prova técnica. Mandei o corpo para lá pela manhã. Acredito que nos próximos dias nós tenhamos um laudo para atestar o momento da morte, qual foi o horário da morte. Mas, pra mim, está muito claro. O médico foi encontrado no quarto de descanso dele, ele não estava atendendo outro caso. Ele estava dormindo”, declarou o delegado.

Do Blog do Vandoval Rodrigues

20 comentários:

  1. imperdoavel um cara desse,,,, NUNCA FOI MÉDICO, DESUMANO, MOSTRO, SEM CORAÇÃO, NÃO ESTÁ NEM AI PARA O PRÓXIMO... MAIS UM MAL PROFISSIONAL DECIDINDO SOBRE A VIDA DAS PESSOAS....
    QUE APODREÇA NA CADEIA .. FDP

    ResponderExcluir
  2. Vai ser puta na cadeia agora...

    ResponderExcluir
  3. Gente esse ai e so mas um, os nossos municípios estão cheio de proficionais desse tipo, e até pior! Medicos que se acham deuses, tbm nesse país de merda pra se formar em medicina e um absurdo as mensalidades.e no público nem se fala a burocracia.

    ResponderExcluir
  4. uma praga desse devia pegá prisão perpétua

    ResponderExcluir
  5. Que ele passe um bom tempo na prisão, e que sirva de exemplo para outros médicos da iguala dele.

    ResponderExcluir
  6. Tinha que prender não só o medico .. mas o diretor do hospital , secretario de saúde e o prefeito da cidade.. São todos Culpados por essa morte da criança .

    ResponderExcluir
  7. Por iso que o brasil ta asim...tinha era que lixa ese miseráve. I depois mata ele

    ResponderExcluir
  8. Tem que prender mesmo!! Isso ê uma realidade nas cidades maranhense.. Os gestores contratam mais segurança do que médicos para os Hospitais .

    ResponderExcluir
  9. Pobre do médico; pagou pelos outros; ele apenas deve ter cumprido uma determinação do prefeito ou di secretário(a) de saúde.

    Pois existe um procedimento antes de chegar até ele.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ele tem q cumprir o juramento q fez anta.... em salvar vidas e não receber ordens de porr÷£÷£÷€ nenhuma de prefeito

      Excluir
  10. Existe uma verba pra cada município aplicar na saúde e que isso vem la de cima

    ResponderExcluir
  11. Mais para min tem que atender à todos mesmo,O QUE tem quê ser mudado São as regras do jogo

    ResponderExcluir
  12. Só comentario besta! No calor dos acontecimentos. Sou médico e sei o que este rapaz passa. Ao condenar ele, condene o prefeito da cidade de origem que não investe no seu hospital. O SUS é universal em parte pq todo município tem sua verba. E o que acontece é que ninguém quer gastar com o outro. Exemplo disto é o atendimento em Teresina, basta vc falar que é do Maranhão que o atendimento é negado. Não justifica a negação do atendimento da urgencia, eu não faria isto. Agora pergunto: será se ele tivesse atendido a criança ela seria salva? Qual era a gravidade da criança ao chegar? Nao podemos xinga-lo tipo: ' quero que queime no inferno ', 'que morra'! Isto é futilidade de gente sem noção do que fala!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Por esta razão, meu filho não vai trabalhar em hospitais públicos, além do mais tô pagando caríssimo pra obedecer prefeito.

      Excluir
    2. Tu deve ser esses açougueiros formados Bolívia,tem medo até de ver sangue já fica desmaiando kkkkkkkkkkkkkk ou no paraguaio

      Excluir
    3. Não queri (a) só me forno no próximo ano e é na Uninovafapi em Teresina. Pro seu governo o mlhor curso de Medicina do estado so PI.

      Excluir
  13. Vc ta certo em defender a sua classe.doutor! Negar atendimento vai contra o juramento que ele fez.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exatamente é esta a questão. Independente de tudo, existe o juramento que ele fez e devia honrar.

      Excluir
  14. Ele foi cruel se ele quisesse atende a criança prefeito nem secretário poderia empedilo se poderia até perde o emprego na Cidade mas poderia ter salvo a criança que era o mas importante

    ResponderExcluir