segunda-feira, 10 de setembro de 2018

Igreja Testemunhas de Jeová ameaça processar advogado de Adélio, o agressor de Bolsonaro


Advogado Zanone Oliveira Junior 
A Coluna do Estadão de Andreza Matais informa que o departamento jurídico da igreja Testemunhas de Jeová avalia ingressar hoje na Justiça contra o criminalista Zanone Oliveira Junior por ter declarado que foi contratado para defender o agressor de Jair Bolsonaro por uma pessoa ligada à igreja.

Desde que ele fez a afirmação, a igreja tenta contatá-lo para pedir que diga quem da comunidade paga por seus serviços ou se retrate publicamente. A avaliação é que o advogado envolveu a imagem da igreja no episódio, ajudando a estigmatizá-la ainda mais.

“Abominamos o que o agressor fez”, diz a igreja via assessoria das Testemunhas de Jeová.

De acordo com a publicação, a igreja chegou a divulgar nota pública para dizer que “Adélio Bispo de Oliveira (o agressor de Bolsonaro) e sua família não são Testemunas de Jeová ou têm vínculos com ela” e que “lamenta” o ocorrido com o candidato.

Procurado ontem pela Coluna, Zanone já não é mais tão assertivo quanto aos vínculos do contratante. “É uma pessoa que conhece o Adélio do meio evangélico, não necessariamente Testemunha de Jeová”, disse.

O perfil de Zanone no Facebook foi alvo de críticas e ofensas. Ele diz estar acostumado, já que trabalha com casos de homicídio há duas décadas. “Nenhum acusado será julgado sem defensor. Se não for eu, outros virão”, afirma. A defesa do agressor de Bolsonaro está compilando polêmicas declarações do candidato sobre mulheres, negros e homossexuais. Vai alegar que o Código Penal prevê atenuar a pena de crime cometido por “motivo de relevante valor social ou moral”, finaliza o advogado.

Igreja pede retratação de advogado que ligou agressor de Bolsonaro a evangélicos

Defensor diz que foi contratado por conhecido da família de Adélio Bispo de Oliveira
  

Adélio Bispo de Oliveira, reponsável pelo ataque a Jair Bolsonaro em Minas Gerais 

Lideranças de igrejas evangélicas negam terem pagado por assistência jurídica a Adélio Bispo de Oliveira, preso em flagrante depois de atacar com uma faca o candidato à Presidência Jair Bolsonaro (PSL). Na noite de sexta, dia seguinte ao atentado, o advogado Zanone Manuel de Oliveira Júnior disse ao GLOBO que "uma pessoa ligada à igreja dos Testemunhas de Jeová de Montes Claros" lhe havia pedido para assumir a defesa do acusado e custeado o trabalho. Integrantes da instituição agora esperam que o defensor se retrate publicamente. Zanone chegou a citar mais tarde a igreja do Evangelho Quadrangular, que também negou envolvimento, antes de ressaltar que foi contatado por um conhecido da família de Adélio.
Mais em continua...

Na sexta, integrantes das Testemunhas de Jeová anunciaram à equipe de advogados que a notificaria a esclarecer a menção. Representantes da instituição emitiram notas que negaram qualquer elo da igreja com Adélio, sua família ou sua defesa no caso. Até esta segunda-feira, porém, o defensor não retornou o contato da instituição.

— A própria família diz que o Sr Adélio é de outra religião. Deve ter sido um lapso dele. Estamos tentando contato com o Sr Zanone, mas ele não dá retorno. Nós somos um povo pacato, que prega o amor ao próximo, pessoas neutras em assuntos políticos. Lamentamos o episódio, um atentado contra a vida de alguém. A gente queria apenas uma conciliação. Não temos interesse de processar alguém, ir à briga. Se eles estão defendendo o Sr Adélio, é da profissão deles. Só queríamos uma retratação em público. Não queremos forçar — destacou Aílton Pereira, do departamento jurídico das Testemunhas de Jeová.

Na tarde de sábado, Zanone mudou a versão e disse que havia sido procurado por uma pessoa ligada "à família e a uma congregação evangélica de Montes Claros", não especificamente Testemunha de Jeová, que segundo ele apenas teria sido frequentada no passado por seu cliente. Ele informou ter tido notícia de que Adélio, na verdade, frequentava outra igreja, a do Evangelho Quadrangular. De fato, parentes do autor do crime relataram ao GLOBO que, na juventude, ele foi integrante da igreja, bem como outros integrantes da família. No entanto, a congregação também negou os pagamentos.

"A igreja do Evangelho Quadrangular não pagou absolutamente nada de custas processuais dos advogados do senhor Adélio", disse o reverendo Antônio Levy de Carvalho, superintendente da igreja em Montes Claros e responsável pela gestão das 28 unidades na cidade.

TRÊS VERSÕES

Nesta sexta-feira, O GLOBO percorreu cinco unidades próximas à antiga casa da família de Adélio. Encontrou fiéis em pelo menos três unidades. Eles também negaram ter conhecimento de qualquer ajuda a parentes do acusado. No fim da tarde, Zanone apresentou a terceira versão para o pagamento:

— Não sei se é Testemunha de Jeová, se é Quadrangular. É uma pessoa física, de alguma forma ligada à congregação, mas não integrante, que conhecia o rapaz e queria ajudar.

O advogado voltou a dizer que não poderia informar o nome do financiador da defesa, pelo fato de esta pessoa temer ser ameaçada, segundo Zanone.

Parentes de Adélio foram orientados pelos advogados a não fazer qualquer comentário sobre como se deu a contratação de seus serviços.

— Não posso falar nada, o advogado nos pediu que vocês (imprensa) falassem apenas com eles. Não sei nada de igreja que meu tio frequentava, nem de igreja ajudando a gente - disse Marlete Ramos, sobrinha de Adélio, responsável pelo contato com os advogados, em nome da família.

Na sexta-feira, sua irmã, Jussara Ramos, pedia ajuda a jornalistas que cobriam a repercussão do caso na cidade que ajudassem a colocá-las em contato com os advogados em Juiz de Fora, porque elas não sabiam qual era a linha de defesa do parente. A expectativa delas era convencer a defesa a agir para que Adélio fosse transferido a alguma unidade prisional próxima a Montes Claros.

Com informações de O Globo e o Estadão 

2 comentários:

  1. "Lamentamos o episódio, um atentado contra a vida de alguém. A gente queria apenas uma conciliação. Não temos interesse de processar alguém, ir à briga" Então acho melhor mudar seu cabeçalho ou título. não acha? Sem processos!
    Segundo: "Seita" Errado! Testemunhas de Jeová não são seita. Seguem a Cristo, sem extremismos e pregam amor ao próximo e querem ajudar seu semelhante, seita seguem um lider humano diferente da ORGANIZAÇÃO, repito, ORGANIZAÇÃO NÃO IGREJA! Seguem a Jesus Cristo e acreditam que ele é seu único salvador.
    Poderia fazer uma lista imensa, mas onde a ignorância fala,o profundo conhecimento apenas observa. Sinto muito por sua ignorância religiosa!

    ResponderExcluir
  2. Essa ceita não admite nem que pedofilos sejam julgados pela justiça comum para não vazar maus comentários sobre eles, vão muito deixar isso barato.
    https://youtu.be/FzneVtlFgKA

    ResponderExcluir