sábado, 13 de abril de 2019

No Maranhão, 1200 vigilantes podem perder o emprego



Na manhã desta quinta (11), o vice-presidente do SINDVIG-MA, Daniel Pavão, procurou o deputado estadual Wellington do Curso, na Assembleia Legislativa, através de uma carta aberta aos deputados, onde denuncia que aproximadamente 1200 vigilantes seriam demitidos a partir de maio deste ano pelo Governo do Estado, para contratação de porteiros.

Mediante a intransigência do governo em atender os representantes da categoria, o sindicato resolveu recorrer a Assembleia Legislativa do Maranhão para que os deputados solicitassem ao governador Flávio Dino, que 1200 vigilantes não fiquem desempregados.

Anteriormente, o governo já havia demitido 504 vigilantes e contratado porteiros somente pelo dia, para redução de custos. Mas não existe uma razão específica para tal rescisão contratual em massa, de forma emergencial. Visto que a substituição de vigilantes por porteiros de forma integral diminui diretamente a proteção deferida ao patrimônio público, alunos e professores que frequentam as unidades educacionais estaduais.

O presidente do SINDVIG-MA, Raimundo Raposo, espera que o governador revogue esta decisão, pois muitos pais de família ficarão desempregados. O que não é o caso de desclassificar os porteiros, mas os vigilantes têm o preparo para garantir a segurança do patrimônio e integridade física das pessoas, sendo regulamentada pela Lei 7.102/93.

“O que me surpreendeu foi o governador tomar a decisão de demitir 1200 trabalhadores de uma vez só. E até o presente momento não nos receber para dialogar. Até na Secretaria de Educação já não me recebem mais. Pedi que me informassem de forma oficial e até agora não obtivemos resposta. Por isto recorremos aos deputados. E se não tiver diálogo vamos para a porta do Palácio solicitar que ele volte atrás desta decisão. Não estamos interessados em empresa A ou B e sim com o emprego da categoria”, declarou Raposo.

O deputado Wellington do Curso defendeu a categoria em discurso na sessão plenária, para que mais trabalhadores não fiquem desempregados.

“Vamos solicitar ao Governo do Estado uma explicação, principalmente o motivo pelo qual estão fazendo isto de forma emergencial e o mais grave, aumentou os impostos e vai desempregar pais de família. Contem com a Assembleia Legislativa. Contem Comigo. O meu mandato é de vocês”, denunciou Wellington no Plenário.

Na atualidade, esta é a única profissão regulamentada pela legislação brasileira que trata sobre segurança privada no país. A Polícia Federal, por intermédio da PORTARIA N 3.233/2012-DG/DPF que estabelece os requisitos, direitos e deveres para o exercício da profissão de vigilante. Sendo essencial para a segurança nas escolas públicas

Fonte: Diego Emir

5 comentários:

  1. Vão votar em comunista

    ResponderExcluir
  2. Ha razões nos dois lados, o governo quer vigilância integral, os vigias não querem ficar desempregado...mas, tem uns vigias aí que só vai na escola abrir ...o restante do dia quem fecha e abre são os professores ou diretores .Vão é pra casa e a escola fica jogada pra cobras

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se isso está ocorrendo, então, tá tudo certo. É a implantação da sociedade igualitária pregada pela esquerda. É a sociedade sem chefes, ou patrões, símbolos da "desigualdade e da opressão", não é assim o discurso? Todos seremos iguais, não haverá hierarquia. Não tem maior, nem menor, tudo igual. Agora, quem vai trabalhar? Essa é uma pergunta complexa, ou não. A resposta pode ser dada olhando a Venezuela, onde todos foram forçados a serem iguais, e são. Porque querem fugir de lá? eu não entendo, uma vez que os mesmos ajudaram a construir a situação existente. Acreditaram na vida fácil, diversão e felicidade, em um estado provedor de todas as necessidades. Lá foi prometido o paraíso, receberam de cortesia o inferno. Aqui foi lançada a semente, vamos regá-la.

      Excluir
    2. vc não entendeu. volte e leia a matéria de novo. la está falando dos vigilantes que são pessoas que passaram por um curso de formação, se qualificaram e que prestam serviços para um empresa ou órgão publico de segurança patrimonial e eles não tem estabilidade no emprego. agora a classe que vc fala aí é a dos vigias cocnursados que não vão trabalhar, que não passaram por nenhum curso de formação e que estão la apenas para pegar o dinheiro da prefeitura.

      Excluir
  3. Votem em comunista de novo.
    Burro só come capim mesmo 😂😂

    ResponderExcluir