terça-feira, 23 de agosto de 2016

Hildo Rocha denuncia caos na saúde pública: a “procissão das ambulâncias” voltou com toda força


Em pronunciamento na tribuna da Câmara Federal o deputado Hildo Rocha afirmou que o corte de investimentos na saúde pública do Maranhão trouxe de volta a “procissão das ambulâncias”. “As ações realizadas por Roseana Sarney, entre as quais a construção de hospitais em mais de 60 municípios, contribuíram para acabar com a procissão das ambulâncias, mas, o fenômeno voltou a acontecer porque o governador Flavio Dino deixou de repassar os recursos para custeio daqueles hospitais. Cada município recebia R$ 100, mil do governo estadual, todo mês, para ajudar no funcionamento das unidades hospitalares. Agora os hospitais estão fechados ou funcionando precariamente.” enfatizou o parlamentar.

Humilhação

Hildo Rocha destacou ainda que, em consequência do fechamento das unidades de saúde das pequenas e médias cidades, milhares de pessoas são obrigadas a se deslocar em busca de atendimento em outros municípios e assim, a fila de ambulâncias na BR-135 cresce a cada dia. “As pessoas estão sendo humilhadas e submetidas a situações degradantes”, lamentou.
Continua...
Caos

Hildo Rocha destacou ainda que durante a gestão da governadora Roseana a Maternidade Marly Sarney foi modernizada, reequipada e funcionava muito bem. “Era uma das melhores maternidades do nordeste brasileiro. Se destacava pelo atendimento humanizado e excelência dos serviços. Mas, agora tudo mudou. Alguns funcionários do Instituto Acqua, organização contratada por Flávio Dino para administrar a maternidade, tratam mal os familiares e pacientes. Estão colocando as parturientes no corredor. Uma mulher depois que teve o parto, principalmente cesariana, não pode ir paro corredor porque pode contrair infecção. É um absurdo o que o governador comunista está fazendo com a nossa população. Governador Flávio Dino, respeite o povo maranhense, respeite pelo menos as mães e futuras mães deste estado”, enfatizou Hildo Rocha.
Assessoria.
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário