sábado, 16 de dezembro de 2017

Delegado Renilton de Barra do Corda acredita que Júnior do Nenzim foi quem disparou o tiro que matou o pai, Nenzim

Delegado Renilton Ferreira 
O delegado Regional de Barra do Corda, Renilton Ferreira, está concluindo relatório sobre o assassinato do ex-prefeito Nenzim. Ontem (15), em São luís, ele voltou a interrogar o principal acusado de envolvimento no crime, Manuel Mariano Júnior, o "Júnior do Nenzim", filho da vítima. Em conversas paralelas, o delegado revela que não tem dúvidas que foi Júnior do Nenzim que disparou a arma que matou o próprio pai.

Momento em que Júnior do Nenzim chegou a DP para prestar depoimento 

O depoimento do acusado durou mais de 5 horas. Ainda ontem à noite, o delegado regional de Barra do Corda divulgou para a imprensa local, um resumo do teor do interrogatório. Confira o relato do Policial Civil.

Delegado Renilton Ferreira: “Em atendimento a solicitações dos meios de comunicações locais, a Polícia Civil comunica que na data de hoje, 15/12/17, foi colhido interrogatório do Sr. Manoel Mariano de Sousa Filho (Júnior do Nenzim), interrogatório esse que durou cerca de 5h30m, com 10 (dez) laudas, onde Júnior confirmou todo o teor das declarações prestadas em Barra do Corda, no dia 07/12, sendo ainda lhe feito várias outras perguntas, das quais, em regra, o interrogado se valeu o direito ao silêncio.”
Júnior do Nenzim entrana sala para prestar depoimento ao delegado regional de Barra do Corda

“As perguntas foram no sentido de tentar esclarecer fatos contraditórios entre as alegações de Júnior, no primeiro depoimento e as provas colhidas durante as investigações (tanto testemunhais, como materiais); mas o interrogado se valeu do seu direito constitucional ao silêncio nas perguntas principais, referente a essas contradições e não quis esclarecer sua versão sobre a maior parte do que lhe foi perguntado.”

“Algumas perícias já começaram a ficar prontas e os resultados delas tem ajudado a confirmar as linhas de investigações até o presente momento, razão pela qual, esperamos concluir o caso nos próximos dias, não havendo dúvidas, por parte da polícia, da autoria do crime por parte do investigado.”

Mais informações

O crime aconteceu na manhã do dia 6, quando pai e filho se dirigiam em uma camionete à casa do advogado Luís Augusto Bonfim Neto Segundo. No caminho, Nenzim foi atingido com um tiro na região da cabeça.


Três pessoas diretamente envolvidas no assassinato do ex-prefeito Nenzim, permanecem presas; além do filho Júnior, também foram presos Francisco David Correia de Freitas, por ocultação de provas, pois foi ele que levou a camionete usada no crime para o Lava Jato e ainda solicitou que fosse feita a lavagem completa, inclusive, com a retirada dos bancos. E também Luzivan Rodrigues da Conceição Nunes, o Luizão, este por sua vez, é o vaqueiro que comandava a Fazenda do povoado Narú e responsável pela venda dos gados desviados. A polícia não descarta outros envolvidos no caso.

_________________________

Mariano Júnior, o Vaqueiro da Barra, é acusado da autoria do crime contra o pai



É hoje, a inauguração do Parque Aquático Península de Lima Campos 


6 comentários:

  1. O que vai acontecer com ele? Vai ter café, almoço e jantar. Banho de sol médico,remédio, auxílio penitenciária, ler a Bíblia pra virar samaritano. Bem comportado. Vai passar depois o dia "trabalhando" e passa a só dormir na cadeia. Depois libera total. E o seu Nemzim .....si...

    ResponderExcluir
  2. BARRA DO CORDA MARANHÃO PERDEU O MELHOR PREFEITO DE TODOS OS TEMPOS HOJE A SUA NOVA MORADA É AO LADO DE DEUS!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, foi para o inferno, e com a graça de Deus nunca mas voltará.

      Excluir
  3. Eu num queria era ta pele dele, agora ali é cobra comendo cobra

    ResponderExcluir
  4. Nao vai da em nada. O próprio irmã em entrevista ja ta balançando em defesa do msm.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ali ainda tem mas gente po tras do crime, exclusivo Pedro Teles esteve mesmo foragido no velorio, e o pior o taoa na cara da sociedade e da justiçs, nao teve um homem para lhe dar voz de prisao.

      Excluir