domingo, 10 de março de 2019

Familiares e amigos fazem protesto por morte de adolescente em Lago do Junco

Adolescente de 15 anos foi morto com 21 facadas no quintal de uma casa. O principal suspeito é o professor dele, que permanece preso

Neste domingo, centenas de pessoas saíram às ruas pedindo justiça para o adolescente Ray 

Na manhã deste domingo (10), centenas de pessoas saíram às ruas e fizeram uma passeata em Lago do Junco (MA), em protesto à morte da adolescente Ray, de 15 anos. O crime aconteceu na terça-feira de carnaval, dia 5.

Com cartazes, faixas na cabeça e carro de som, familiares, amigos e populares  se concentraram no Posto Sipião, entrada na cidade, onde fizeram um ato; e depois percorreram ruas de Lago do Junco, reivindicando justiça para o menino Ray e que o crime não fique impune.

Frases da algumas faixas:

“Que a justiça seja feita”; “LUTO que a justiça seja feita”, “Ray, descanse em paz”; “Mais um sorriso levado na injustiça”, “Ray, estamos aqui”.
Ato de protesto ao lado do Posto Sipião, entrada da cidade 

Para os manifestantes, o professor do adolescente, Adailson de Oliveira, é o único autor do bárbaro assassinato que chocou a cidade. O professor permanece preso, provisoriamente, desde o dia 6, como principal suspeito de cometer o crime.  
moradores percorreram ruas e avenidas da cidade exigindo justiça 

José Eudes Pereiras, avô da vítima, também suspeita que o professor seja o autor do homicídio e clama por justiça.

 “Estou sem chão com a morte do meu neto, ele era os meus braços e minhas pernas, fazia tudo pra mim, mas o que mais me machuca é a falta dele, não o encontrar dentro de casa. Espero que a justiça veja a situação da família, se coloque na situação da gente e que mantenha esse homem preso. Quero justiça e que ele seja condenado”, pediu o avô.
O protesto encerrou na escadaria da Igreja Católica de Lago do Junco 
Entenda o caso

O assassinato que vitimou o adolescente Antônio Carlos, conhecido como “Ray”, morador do povoado Cajazeiras, zona rural de Lago do Junco, ocorreu na última noite de Carnaval, na casa do Professor Adailson de Oliveira. 
Professor Adailson e o adolescente Ray
O professor Adailson de Oliveira relatou em depoimento que ele a vítima brincavam juntos no último dia de carnaval em Lago do Junco. Os dois saíram do corredor d folia para buscar uma bebida (Ice) na casa do professor, que fica próximo ao local. Ao chegar à residência, o professor disse que foram surpreendidos por assaltantes. Os supostos criminosos estavam armados com faca e exigiu dinheiro e o aparelho celular. Como eles não tinham nenhum dos pertences, os assaltantes enfurecidos feriram Antônio Carlos com um golpe na mão e matou o adolescente com várias facadas. O professor disse ainda que conseguiu fugir dos criminosos pulando o muro de sua residência. Depois de matar o adolescente com 21 facadas e pauladas, os assassinos fugiram sem deixar pistas.
A polícia civil não ficou satisfeita com o depoimento do professor e pediu a prisão preventiva do mesmo. Adailson Oliveira tem 32 anos, é casado, pai de dois filhos (não biológico), é professor bastantes conhecido em Lago do Junco. Ele ele se encontra preso em Lago da Pedra e vai ficar a disposição da justiça, até que o caso seja elucidado.

Veja centenas de fotos do protesto em continua....


Concentração e ato ao lado do Posto Sipião 























Em protesto, moradores percorrem ruas e avenidas da cidade clamando por justiça 
















































































Encerramento do protesto na Igreja Matriz 



















14 comentários:

  1. Vagabundo acabou com a vida de uma criança inocente. Você vai pagar, meu caro amigo professor.

    ResponderExcluir
  2. Eles elas meio estranhos ne

    ResponderExcluir
  3. A justiça tem que ser feita,tem que pagar queremos justiça

    ResponderExcluir
  4. É uma vergonha a família além de perder um ente querido ainda tem que fazer manifestação cobrando justiça, um crime brutal e qualquer um mesmo sem entender olhando isso sabe que foi esse professor que cometou o crime.
    A justiça tem que dar logo uma solução para isso mesmo sabendo que a voda do jovem Ray não será devolvida mais vai tirar do convívio da sociedade o mosntro capaz de matar uma criança com tanta crueldade e covardia.
    justiça o mais rapido e condenação para esse monstros

    ResponderExcluir
  5. Ato pedindo justiça? Mas o cara não já está oreso? A justiça já está sendi feita.

    ResponderExcluir
  6. Sera se foi o Professor Mesmo, Nao podemos jugar ninguem sem provas.
    Fica A Dica

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se não foi ele então foi vc

      Excluir
    2. Tá na cara que foi esse professor que assassinou esse rapaz. Se fosse em outros estados, poderia descobri se teve mais algum no local mais aqui não tem perícia cm vejo nesses jornais aí de fora.

      Excluir
  7. Quanto crueldade gente

    Que a justiça seja feita

    ResponderExcluir
  8. Realmente, tudo só aponta pra ele. Mas, e se ele for pagar por um crime q não cometeu?

    ResponderExcluir
  9. Caso tenha sido o professor qual terá sido a motivação do crime?

    ResponderExcluir
  10. O problema é que a justiça é reflexo da sociedade, basta ver nos comentários acima mesmo diante das evidências. Resumo: 1) parte da sociedade não quer punição, visto que as penas definidas em lei não punem e não fazemos nada para alterar essas leis. 2) o judiciário, se o réu for a julgamento, imputará a pena definida em lei, que não punem. Portanto, somada a eventual pena aos atenuantes e benefícios da lei é capaz do réu ainda ter o direito de obter indenização do estado. Leia este: nós trouxas, que acreditamos não ter competência para opinar sobre a complexidade da lei, em razão da domesticação a que fomos submetidos. 3) etc, blá blá blá blá blá, permitido em lei, sem que haja consequência para a procrastinação, apesar de vedação em lei. 4) apesar de acreditarmos em mudar, tudo continuará como sempre, afinal de contas mudar envolve sacrifício e não estamos acostumados a isso, ou seja, nada vai mudar. QUEREMOS É O LADRÃO DE VOLTA, SERÁ A SOLUÇÃO MESMO SEM TER COMPETÊNCIA. Vamos que vamos.

    ResponderExcluir