quarta-feira, 31 de outubro de 2018

Pistoleiro conta detalhes arrepiantes sobre três execuções em Esperantinópolis


ENTREVISTA BOMBÁSTICA DE TOIN DO ALTO – “Rapaz, o Thor foi eu que detonei ele. Quanto a mulher, eu sai de perto e encostou o Erismar e o Mãozinha e não sei mais nada. Recebi 6 mil do Erismar..."
Toin do Alto 
A Polícia Civil da 14ª Delegacia Regional de Pedreiras, comanda pelo delegado Diego Maciel, prendeu nesta quarta-feira (31), o indivíduo conhecido como “Toin do Alto”, suspeito de participar dos três homicídios, ocorridos no dia 17 de abril de 2016, por volta das 19 horas, na estrada de acesso ao povoado Centro do Meio, zona rural de Esperantinópolis (MA), que acabou por assassinar Manoel Alves de Souza, conhecido como “Thor”, Antônia Ramos Alves e a criança (um menino especial) de iniciais M.K.A.L.

“Toin do Alto” foi conduzido para a delegacia regional em Pedreiras nesta manhã. Enquanto aguardava o momento de prestar depoimento, ele concedeu entrevista ao repórter Ricardo Farias, da TV Rio Flores, canal 7 de Pedreiras. Durante a entrevista, o pistoleiro confesso fez declarações bombásticas. Assumiu que foi ele que matou Thor. Ele afirmou que o empresário Erismar e o elemento Mãozinha estavam presentes na hora que a mulher e a criança foram executadas, friamente.

Assista a entrevista completa no vídeo 
Vídeo 

Leia a entrevista 

Repórter Ricardo Farias  - O que você tem a dizer sobre as acusações por participação nesse crime?

Toin do Alto - Nada, não.

Repórter Ricardo Farias  - O senhor estava, onde na época em que aconteceu o crime?

Toin do Alto - Tava na região, lá mesmo.

Repórter Ricardo Farias  - O senhor conhecia os envolvidos?

Toin do Alto - Conhecia, não

Repórter Ricardo Farias  - O senhor conheceu o Thor?

Toin do Alto - Conheci

Repórter Ricardo Farias  - O que espera agora da justiça?

Toin do Alto - A justiça de Deus mesmo!

Repórter Ricardo Farias  -  E o Seu Francisco, o Mãozinha, o senhor o conhecia?

Toin do Alto - Conheci

Repórter Ricardo Farias  - Qual seu envolvimento com ele a nível de amizade?

Toin do Alto - Não, não tinha amizade com ele, lá não

Repórter Ricardo Farias  - Você sabia que foi o Mãozinha o autor desses crimes?

Toin do Alto - Sabia sim, porque o Erismar levou ele.

Repórter Ricardo Farias  - Erismar e Wilson, o senhor os conhecia também?

Toin do Alto - Já conhecia eles.

Repórter Ricardo Farias  - O senhor sabe dizer por que eles encomendaram a morte desse cidadão, vulgo Thor, que foi assassinado junto coma a mulher e a criança?

Toin do Alto - Rapaz, o que eu sei dizer é que a mulher e a criança não tinham nada a ver; o Thor é porque ele era envolvido em muitas coisas ali, de roubar e o diabo à quatro ali dentro de Esperantinópolis, que ele que roubava e mandava matar toda hora uma pessoa

Repórter Ricardo Farias  -  O senhor tinha conhecimento de que o Thor tinha roubado ou furtado pertences dos dois mandantes?

Toin do Alto - Não, só sabia que ele tinha mandado roubar a mulher do Erismar mesmo

Repórter Ricardo Farias  - E o senhor participou desse crime? Seja sincero!

Toin do Alto - Rapaz, ai... eu tava no meio porque ele [o Thor] ia matar eu e Erismar, ai foi obrigado nós ir lá. O Erismar que me chamou

Repórter Ricardo Farias  - Quem efetuou os disparos?

Toin do Alto - Rapaz, no Thor foi eu que detonei ele.

Repórter Ricardo Farias  - E a mulher junto com a criança?

Toin do Alto - Ai foi o momento que eu sai de perto, o Erismar encostou mais o outro [o Mãozinha] aí não sei mais.

Repórter Ricardo Farias  - Então o senhor não sabe quem matou a mulher e a criança?

Toin do Alto - Não.
Três mortos em emboscada 

Repórter Ricardo Farias  -  Se fosse pelo senhor, a mulher e a criança teriam morrido?

Toin do Alto - Teriam não, de jeito nenhum!

Repórter Ricardo Farias  -  Quando o senhor ficou sabendo que a mulher e a criança também teriam sido assassinadas, o que passou pela sua cabeça?

Toin do Alto - o que me passou é que a mulher não tinha culpa de nada, foi uma hora errada em que ela pegou uma carona. Não sei do envolvimento dele lá, que ouvi falar até que ele gostava dessa mulher, isso eu ouvi falar né... Comentário do povo.

Repórter Ricardo Farias  - O senhor ganhou quanto em dinheiro para participar desse crime?

Toin do Alto - Era eu e Erismar, aí o Erismar foi e deu 6.000 reais pra nós.

Repórter Ricardo Farias  -  Pra dividir entre o sr e o Mãozinha?

Toin do Alto - Não , ele deu fora a parte, ai deu 4 e deu um revolver pro Mãozinha.

O delegado regional, Diego Maciel,  que na época era delegado titular da DP de Esperantinópolis, foi entrevistado pela reportagem da TV Rio Flores e falou que as investigações estão praticamente concluídas e que tem sensação de dever cumprido. 

Delegado Diego Maciel - "Bem, na verdade, desde a época do fato, a gente iniciou a investigação e nunca cessamos. O pessoal que fez a contratação dos pistoleiros, a autoria intelectual... Na época eles foram presos, recentemente um pistoleiro também foi preso e restava prender o Toin do Alto, que foi um dos pistoleiros também que executou as três vítimas. E na data de hoje, a gente conseguiu das cumprimento ao mandato de prisão na cidade de Esperantinópolis, após uma operação desencadeada pela polícia civil com apoio da delegacia de Poção de Pedras, Dr. Péricles da Fonseca também participou, e a equipe de investigadores, Arielton, Robert Santos e Maicon. Então tivemos êxito, demos cumprimento, e agora ele vai aguardar a decisão do poder judiciário e o desenrolar do processo."

Repórter Ricardo Farias  - O senhor sabe relatar para a gente a participação de cada um? São quatro envolvidos?
Delegado Diego Maciel 


Delegado Diego Maciel - Bem, na verdade, da autoria intelectual, dois foram presos na época, um foi absolvido no júri e um foi condenado, o Erismar. O Mãozinha, que foi um dos pistoleiros que executaram, foi preso no começo do ano, na cidade de Itinga no Maranhão, e o processo vai tramitar contra ele. Agora, o Toin do Alto foi preso, o processo vai tramitar e ele prontamente confessou a prática do crime, até porque diante dos elementos colhidos pela policia civil, não teria como ele negar a participação nesse crime.

Repórter Ricardo Farias  - Doutor, como o Sr. analisa esse caso? Um caso de difícil elucidação, mas a polícia mostrando realmente que está atenta aos crimes e solucionando, caso encerrado?

Delegado Diego Maciel -  Caso quase encerrado, na verdade eu ainda vou interrogar o Toin do Alto, mas todos os envolvidos no fato criminoso foram devidamente identificados, todos vão responder perante o poder judiciário. Nosso trabalho agora é dar seguimento às peças para que o ministério publico tenha condições de oferecer a denúncia, e o processo tramite e vise a punição dos autores.

Repórter - O Sr. na condição de autoridade policial, representante da lei, como se sente em poder colaborar para que esses criminosos fossem colocados atrás das grades?

Delegado Diego Maciel - Bem, a nossa função é essa, a Polícia Civil trabalha com isso; investigar, comprovar a materialidade do crime e trazer indícios de autoria para o processo. Então, nós conseguimos desvendar e elucidar todo esse crime, agora ele está bastante esclarecido e assim será com todos os fatos criminosos aqui em Pedreiras.

Repórter Ricardo Farias  - Sensação de dever cumprido em relação a esse caso?

Delegado Diego Maciel -  Com certeza.



10 comentários:

  1. Parabéns pra policia civil por resolver este caso, a população quer tambem alguma resposta sobre aquele crime barbaro de latrocínio lá do povoado marimbondo município de pedreiras.o caso do seu nem.

    ResponderExcluir
  2. Parabéns para a polícia e todos que se envolveram a ajudar a prender esses criminosos até que em fim justiça feita

    ResponderExcluir
  3. Dr Diego esse eu merece meus 👏👏👏❤❤❤❤❤❤❤

    ResponderExcluir
  4. Parabéns a toda a equipe policial.
    E pensar q Dr Diego, Aldo e Ariel eram nosso aí vem um prefeito besta desse e começa a perseguir .

    ResponderExcluir
  5. Esperamos uma resposta árdua pela Polícia Civil Regional de Pedreiras ao caso do trágico homicídio ocorrido em Poção de Pedras no mês de janeiro deste ano, tendo como vítima o funcionário público Nezinho, onde foi brutalmente assassinado em um campo perto do antigo matadouro, a cidade poção-pedrense clama por respostas. Carlinhos bem que você poderia fazer uma retrospectiva da matéria e mostrar a barbaridade que ocorreu e que até agora estamos sem respostas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Infelizmente já se passaram muitos meses e não temos nenhuma resposta sobre isso, e o pior é que já tem suspeitos, mas não vejo nada de solução

      Excluir
    2. Não é bem como vc está falando, o processo corre em segredo de justiça pra não atrapalhar as investigações. Mas posso te garantir que o processo está tramintando e que logo, logo vcs terão respostas.

      Excluir
    3. Exatamente, a questão é que a investigação deve seguir um rito, tudo deve ser realizado com cautela para não atrapalhar nas investigações, mas fique tranquilo que tão logo este caso será elucidado e a justiça será brevemente feita.

      Excluir
  6. Dr Diego sempre humilde, inteligente e competente.

    ResponderExcluir
  7. O vacilo foi matar a mulher e a criança.

    ResponderExcluir