sexta-feira, 7 de junho de 2019

Fábio Macedo repudia atitude intransigente da ENEVA que impediu vistoria de deputados


O presidente da Comissão de Assuntos Econômicos da Assembleia Legislativa, Fábio Macedo, repudia a atitude intransigente da Empresa Eneva, que barrou a comissão de deputados que acompanhavam o diretor-presidente do Instituto de Metrologia e Qualidade Industrial do Maranhão (Inmeq-MA), Ribamar Carvalho, e de técnicos do órgão, durante uma visita técnica de surpresa à empresa. A comissão aguardou na portaria da Usina Térmica do Itaqui mais de 40 minutos, não tendo nenhuma resposta da gerência da empresa.

A recusa da Eneva em receber os deputados, que são representantes legítimos do povo, demonstra a falta de respeito e consideração com a população maranhense, já que com a exploração dos recursos naturais produzidos aqui, obtém lucros exorbitantes. Apesar deste fato, o retorno em benefícios para o Estado é mínimo.

A visita junto ao Inmeq à Eneva se deu a partir de uma solicitação da Comissão de Assuntos Econômicos e apesar de ser tratar de empresa privada, faz parte das atribuições dos deputados obter mais informações sobre o Gás Natural, que é um recurso valioso produzido no Estado, portanto deve ser utilizado pela população.

Fábio Macedo ressalta ainda que a intenção da Comissão é  somar esforços e dialogar com a Eneva, no sentido de trazer mais benefícios e economia para os maranhense, porém, a empresa com essa atitude demonstra falta de interesse na pauta de extrema importância que é a utilização do Gás como combustível veicular.

Um comentário:

  1. Os nobres deputados têm livrr acesso a instituições públicas. Intransigente são esses deputados que quiseram fazer vistoria surpresa numa empresa privada. Isso mostra incompetência e despreparo pra exercer o cargo. Mas no Maranhão pra ser deputado ou exercer cargos públicos não precisa ter competência, nem capacida. Basta ter dinheiro, pois os cargos públicos são COMPRADOS. O povo maranhense VENDE o poder público a quem pode pagar e quer usar em benefício próprio.
    VERGONHA!

    ResponderExcluir