Compartilhe essa Notícia:


O professor Flavio Lima é acusado de assediar um adolescente. Segundo informações, não foram apresentadas provas, tão somente relatos do adolescente


O professor Flávio Lima, da rede municipal de ensino, permanece preso na DP de Esperantinópolis (MA). Segundo informações que chegaram ao blog do Carlinhos, a Justiça decretou  sigilo nas investigações do inquérito que investiga a denúncia contra o professor de ter assediado um adolescente em São Raimundo do Doca Bezerra.

O processo passa a correr em sigilo por ordem da Justiça e a partir de agora nenhuma informação sobre o caso pode ser dada pelo delegado. A advogada Janeth Rocha atua na defesa do professor Flávio Lima. 

Ainda segundo informações, a família do adolescente procurou a delegacia para retirar a queixa contra o professor, porém, o inquérito já está nas mãos do Ministério Público.

O prazo para juíza se manifestar termina nesta segunda-feira, dia 23. A magistrada pode liberar o professor ou mantê-lo preso.

Em São Raimundo do Doca Bezerra, a maioria da população está solidária ao professor Flávio Lima. 

Nas redes sociais compostas por moradores do município, o maior questionamento dos membros é o fato que uma pessoa pode ser presa com base em um depoimento sem provas.

“A mãe procurou o conselho tutelar, onde fez a denúncia, mas sem provas, apenas disse o que o filho lhe relatou. O conselheiro poderia ter chamado o professor para se explicar, proporcionando o direito da ampla defesa; caso os argumentos do professor não fosse convincente, aí teria que levar o caso para a polícia e para a justiça. Mas o que aconteceu foi que a polícia foi chamada e saiu em diligência para prender o professor, enquanto dava aula na escola pública onde trabalha. Ele foi preso a partir de um relato, sem uma única prova. Está todo mundo assustado e se perguntando: então se alguém fizer uma denúncia grave desse tipo contra mim, sem prova nenhuma, eu serei preso na mesma hora?”, questiona um morador no grupo de whatsapp. "Isso pode gerar uma onda de denuncismo", completou.

Entenda o caso

Segundo informações da Polícia Civil, na manhã do dia 19 de setembro, uma mãe procurou a Polícia Militar de São Raimundo do Doca Bezerra para denunciar o professor; o mesmo teria assediado sexualmente seu filho, um adolescente de 14 anos de idade.
 
O adolescente, de iniciais E.S.C.O., contou para a mãe que o assédio aconteceu na noite anterior (18), próximo a quadra de esporte da cidade de São Raimundo do Doca Bezerra. O professor Flávio Lima ofereceu uma carona em sua motocicleta, durante o percurso, o professor propôs que eles namorassem, em troca lhe ofereceu um bola, porém o adolescente não aceitou; o educador continuou insistindo e chegou a passar a mão nas partes íntimas do menor de idade e também lhe ofereceu dinheiro; o adolescente recusou qualquer investida do homem. Ao chegar em casa, ele relatou o fato a sua mãe, que decidiu procurar a polícia.

A guarnição da PM recebeu a denúncia, realizou diligência e localizou o professor na escola onde trabalha em um povoado de Barra do Corda; em seguida ele foi conduzido à Delegacia de Polícia Civil de Esperantinópolis, onde prestou depoimento para o delegado Dr. Marcondes. O professor Flávio Lima negou as acusações e assegurou que ele é inocente.

Caso sejam comprovadas as acusações, o professor poderá pegar de 1 a 5 anos de reclusão pelo Art. 215-A. Praticar contra alguém e sem a sua anuência ato libidinoso com o objetivo de satisfazer a própria lascívia ou a de terceiro.

Lembrando que Flávio não está sendo acusado por estupro, porém, de assédio contra um menor. O caso está sendo acompanhado pelo Conselho Tutelar de São Raimundo do Doca Bezerra.

O caso abalou os moradores de São Raimundo do Doca Bezerra, município onde o professor é bastante conhecido e atua na política. Em 2016, professor Flávio Lima chegou a disputar as eleições para o cargo de vereador pelo PCdoB, mas não obteve êxito.
⬇️⬇️ COMENTE AQUI ⬇️⬇️

8 Comentários

  1. Pra ver se uma pessoa quiser fazer mau alguém não precisa agredir pois a língua é uma faca afiada que pode prejudicar qualquer pessoa, e uma pessoa que estar dando aula numa sala de aula em outro município no horário da manhã, não teria como fazer um ato e no mesmo tempo ser acusado por assédio em flagrante se ele estava trabalhando, não poderia ser ato em flagrante, isso está parecendo politicagem.

    ResponderExcluir
  2. Isso é armação política, Flávio é militante da oposição

    ResponderExcluir
  3. joga luz alta,pisca pisca...

    ResponderExcluir
  4. Se eh do PC do B pode prender que faz parte de uma facção criminosa criada pelos PTralhas nesse partido só tem mau caráter essa eh a verdade.

    ResponderExcluir
  5. Isso foi armação política, isso é pq ele não se vendeu pro atual prefeito, todos devem se vender, caso isso não aconteça, o prefeito manda fazer uma força tarefa pra incriminar o cidadão

    ResponderExcluir
  6. O conselho fez o procedimento errado sem ouvir a defesa do professor

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O Conselho daí pareceu precipitado e despreparado.Deveriam ter tido cautela.

      Excluir
  7. Com Uma conversa teria resolvido. Caso o acedio continuasse ai partia pra denúncia

    ResponderExcluir