segunda-feira, 30 de setembro de 2019

Morador de São José dos Brasilios morre em acidente na BR-226

José Ribamar morreu hoje vítima de acidente na BR-226
O condutor de uma moto, identificado como José de Ribamar, vulgo “Preá”, foi atropelado por um carro Fiat/Uno, cor branca, placa PTN-3256 de São Luís, , que trafegava no mesmo sentido, na BR-226. Segundo informações, no trecho entre as localidades do Cipó e Cigana, o motorista do carro, que tem a logo Martins & Reis, colidiu na traseira da moto Pop em, e logo em seguida saiu do local do acidente.

A vítima era morador do município de São José dos Basílios; ele também trabalhava em um lote de sua propriedade no Assentamento Tabocal, no município de Tuntum.

Ainda segundo informações, “Preá” se deslocava na Pop do povoado Cigana em direção ao Assentamento Tabocal, quando sofreu a colisão. Ele morreu no local.

A polícia civil deverá investigar o caso.






7 comentários:

  1. Pela experiência que eu vivi e tenho de estrada, o que deve ter acontecido é que o falecido deveria estar trafegando em baixíssima velocidade, com a falsa percepção de que andar devagar estaria seguro, e que o automóvel em velocidade maior veio a colidir em sua traseira. Quem vem atras não tem a percepção da real velocidade da moto que vai na frente, é por isso que a lei de transito recomenda que nas rodovias todos os veículos andem na velocidade recomendada para aquela rodovia.

    ResponderExcluir
  2. Meu caro amigo o rapaz do carro bateu na traseira da moto portando ele está errado e outra é crime de trânsito não prestar socorro

    ResponderExcluir
  3. Meu caro amigo o rapaz do carro bateu na traseira da moto portando ele está errado e outra é crime de trânsito não prestar socorro

    ResponderExcluir
  4. Meu caro amigo o rapaz do carro bateu na traseira da moto portando ele está errado e outra é crime de trânsito não prestar socorro

    ResponderExcluir
  5. É o que mais se vê, é o cara dentro da cidade andar em alta velocidade, e na estrada parecem tartarugas. Geralmente essas pessoas não tem a CNH, e se tem, são compradas no Piauí ou no Pará.

    ResponderExcluir