Compartilhe essa Notícia:

De acordo com o parlamentar “não havia essa violência toda nas aldeias indígenas antes do governo Flávio Dino”.



Os assassinatos de indígenas ocorridos no último final de semana, no município de Jenipapo dos Vieiras, repercutiram na Câmara Federal, nesta segunda-feira por meio de pronunciamento do deputado federal Hildo Rocha. Segundo o parlamentar, a questão da violência nas aldeias é decorrência da omissão do governo estadual.

“O governo do Maranhão não dialoga com os indígenas. O governador Flávio Dino não proporciona segurança nos municípios onde estão as áreas indígenas, não age para evitar os conflitos que terminam ocasionando mortes como as que aconteceram no final de semana”, destacou o deputado.

Governador não dialoga com as comunidades indígenas

Rocha enfatizou que a população indígena foi completamente desprezada pelo governador Flávio Dino. “Ele cortou todos os benefícios que os índios recebiam. Durante o atual governo os indígenas deixaram de ter até o transporte escolar”, afirmou.

Governo estadual é omisso

Ainda de acordo com Hildo Rocha, a grande ocorrência de roubos de cargas, assassinatos, assaltos a ônibus e veículos de passeios, sequestros e tráfico de drogas que ocorrem ao longo da BR-226, dentro das comunidades indígenas, são praticados por criminosos que se infiltram nas aldeias, ganham a confiança das comunidades e depois passam a praticar diversas modalidades de crimes.

“O governo estadual tem conhecimento disso, mas não faz nada, é omisso, deixa os indígenas sem assistência, sem segurança, sem nenhum tipo de apoio. O resultado dessa omissão está aí. Os assassinatos, roubos e outros tipos de crimes registrados nas aldeias aumentaram durante os cinco anos do governo de Flávio Dino”, destacou Hildo Rocha.



Caso Paulo Paulino Guajajara

Rocha lembrou que quando o líder indígena Paulino Guajajara foi assassinado o governador prometeu que iria montar uma força de segurança, uma força tarefa, específica para atuar nas aldeias a fim de proporcionar segurança e evitar conflitos.

“Ficou só na promessa, era só mentira, tudo não passou de uma jogada de marketing para, diante da grande repercussão negativa, dizer para o Brasil e para o mundo que o governo estadual havia feito algo em defesa dos indígenas. É por isso que o governador do Maranhão não tem tido um bom relacionamento com os indígenas, não conversa com os índios, não é bem visto entre os indígenas do Maranhão. Então, se há um culpado pelas mortes esse culpado é o governo do Estado do Maranhão”, afirmou o deputado.

Conclusão do posto da PRF em Barra do Corda

O parlamentar, durante seu pronunciamento, pediu para o ministro Sérgio Moro concluir e colocar para funcionar imediatamente o Posto da Polícia Rodoviária Federal na entrada de Barra do Corda.

“A construção desse posto foi um pedido que fiz ao então presidente Michel Temer. Ele, conseguiu os recursos e a obra foi iniciada. A implantação desse posto é um desejo da população porque irá contribuir para melhorar a segurança nas rodovias, nas aldeias e nos municípios da região”, frisou Hildo Rocha.

⬇️⬇️ COMENTE AQUI ⬇️⬇️

4 Comentários

  1. Vai procurar o que fazer velho babaca

    ResponderExcluir
  2. A culpa é do governo Federal, não dão apoio ao estado, o presidente odeia o povo indígena, principalmente os do Maranhão, e a FUNAI não faz nada. Quando fizeram a BR no governo da Roseana (que o tal deputado defende), cortaram a área indígena, e sem fazer nenhum projeto de socialização do índio com o homem branco. Então se o caro Deputado quer culpar alguém, que seja a sua querida Roseana, a FUNAI, o governo Temer e o Governo Bolsonaro

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cara então quer dizer que esses índios chegaram aqui este ano no Maranhão,porque tu quer culpar o bolsonaro? Porque o bolsonaro passou a governar o Brasil este ano. E se é culpa dele então os índios chegaram aqui este ano. Vai estudar mortadela.

      Excluir
  3. Esse sabe fazer oposição.. procura discordar de forma construtiva. Não sei como ainda consegue eleitor pra votar em um político desses.

    ResponderExcluir

Informe da ALEMA