Compartilhe essa Notícia:

Por que os ricos do país jamais estão dispostos a fazer sacrifícios, mas exigem que os pobres façam?

BMW DE MEIO MILHÃO EM CARREATA EM CURITIBA. FOTO: EDUARDO MATYSIAK

Não há nada que escancare melhor o egoísmo da elite brasileira do que as carreatas de bolsonaristas que estão surgindo país afora para pedir o fim do isolamento imposto pelo coronavírus, a despeito das orientações da Organização Mundial de Saúde. É uma manifestação de patrões, de empresários com um profundo desamor pelo povo, que não se importam o mínimo com as mortes que esta pregação insana pode causar, contanto que seu lucro esteja garantido.

Sentados no conforto de seus carrões importados, com o ar condicionado a toda, gente branca e rica conclama o trabalhador para que retorne à labuta, espremidos nos vagões e ônibus do transporte público, enquanto eles mesmos não saem de dentro dos carros. A orientação dos organizadores é justamente essa: não saiam dos veículos. Ué, mas não é só uma “gripezinha”? Deveriam fazer, em vez de carreatas, passeatas. Mas cadê coragem?


Os “carreaters” dizem que “querem trabalhar”. Mas eles trabalham? Essa gente incapaz de liberar a empregada para que fique em casa porque não consegue limpar a própria privada, lavar a própria louça, fazer a própria comida ou cuidar do próprio filho, quer mesmo “voltar a trabalhar”? Ou será que eles querem que VOCÊ volte ao trabalho?

Em Curitiba, na última sexta-feira, tiveram a desfaçatez de declarar coisas como: “Eu preciso trabalhar. Ou morro de fome ou morro pelo vírus!” Deviam pelo menos usar palavras de ordem mais sinceras em vez de fingir estarem preocupados com o Brasil: “volte ao trabalho, quero garantir minha viagem a Miami este ano”; “lugar de escravo não é na quarentena, é no tronco”; “a escolha é sua: coronavírus ou demissão por justa causa”; “fim da quarentena já! Quem vai lavar minha BMW de meio milhão?”

Carreata em Curitiba. Prestem atenção nos carros do povo trabalhador que exige voltar ao trabalho.

27,4 mil pessoas estão falando sobre isso

A pandemia do coronavírus nos traz muitas perguntas sobre a sociedade em que vivemos. As palavras do papa Francisco, diante de uma praça de São Pedro historicamente vazia, ressoam em minha mente: “Na nossa avidez de lucro, deixamo-nos absorver pelas coisas e transtornar pela pressa. Não nos detivemos perante os teus apelos, não despertamos face a guerras e injustiças planetárias, não ouvimos o grito dos pobres e do nosso planeta gravemente enfermo. Avançamos, destemidos, pensando que continuaríamos sempre saudáveis num mundo doente”.

A elite brasileira parece surda aos apelos do papa e segue em sua avidez descontrolada por lucro. Por que os ricos jamais estão dispostos a dar sua cota de sacrifício em nome da sociedade? Por que, ao contrário, exigem que sejam sempre os pobres a se sacrificarem? O que custa para um empresário destes segurar a onda durante dois meses, até passar a pandemia? Por que preferem cobrar a fatura do trabalhador? Egoísmo, falta de empatia, usura.

Os “carreaters” dizem que “querem trabalhar”. Mas essa gente incapaz de liberar a empregada porque não consegue limpar a própria privada, fazer a própria comida ou cuidar do próprio filho, quer mesmo “voltar a trabalhar”? Ou quer que VOCÊ volte?

Vemos por aí empresários, sem o menor pudor, publicando vídeos nas redes sociais onde defendem a morte de “uns 7 mil” como algo banal, para não “quebrar a economia”. É como se estivessem oferecendo o corpo de inocentes imolados para saciar a fome do deus mercado que tanto idolatram. Não sentem vergonha de nunca, nem uma só vez, pensar no próximo? E ainda se dizem “cristãos”?

Parafraseando a famosa sentença que Nelson Rodrigues, de galhofa, atribuía a Otto Lara Resende (“o mineiro só é solidário no câncer”), podemos dizer, sem medo de errar: a elite brasileira não é solidária nem no coronavírus.

Cynara Menezes/Socialista Morena
⬇️⬇️ COMENTE AQUI ⬇️⬇️

8 Comentários

  1. Infelizmente no nosso Brasil e desta forma, agora eu queria ver esses ricois faze essa manifestação era de pé nas ruas e não dentro de carro, mais são tão medroso
    .

    ResponderExcluir
  2. Vi o vídeos completo dessas carretas, tem mais GOL, UNO, PALIO, Não sabia que esses carros eram de "ricos" mas aí está uma matéria MANIPULADA!!! A verdade que muitos querem esconder é que se acabar o Comércio A POBREZA E A MISÉRIA irá matar muito mais que um virus que existem outras doenças que matam milhões ou seja, muito mais...

    ResponderExcluir
  3. MATÉRIA MENTIROSA!!! Esse discurso de Pobre x Rico tá manjado, a verdade é que com o DESEMPREGO DE TODOS, o brasileiro vai viver de Bolsa Família, vai dependente das migalhas do estado e é isso que ESSES POLÍTICOS BANDIDOS QUEREM, O POVO NAS MÃOS DELES!!!

    ResponderExcluir
  4. Na realidade o Covid19 que é uma doença de "RICO", pois qual o pobre que tem dinheiro pra passear Na Itália, na França na Europa e pegar Covid19? Por isso o desepero por que mata rico, e a Tuberculose que é infinitamente superior ao covid que acomete 10 MILHOES de pessoas no mundo e mata 1,5 MILHOES e nunca fecharam nada porque só mata pobre, essa é a questão de interesse por trás de tudo isso

    ResponderExcluir
  5. Esses *ricos* são os que sustentam o País imbecil.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo, os ricos são os que pegam o seu dinheiro montam empresas e empregam as pessoas pagando renda maior que a do Bolsa Família, as pessoas só tem dignidade com emprego, sem emprego estão todos entregues na miséria e ignorância

      Excluir
  6. Petista inútil esse Carlinhos. Só sabe babar ovo de político safado, aí ainda quer queimar a classe empregadora. Típico de esquerdista que não trabalha.

    ResponderExcluir
  7. São pessoas que com certeza trabalham muito e com certeza estudaram muito para ter do bom e do melhor. Ao contrário dos canhotas que não pensam no trabalho e nem gostam de estudar e ainda ficam criando "atalhos" tipo cotas em vez de virarem noites estudando.

    ResponderExcluir

Informe da ALEMA