Compartilhe essa Notícia:


O governador Flávio Dino (PCdoB) realizou na manhã desta segunda-feira (20) uma entrevista coletiva virtual para anunciar as novas medidas de combate ao coronavírus no estado. Dentre as decisões tomadas está a ampliação do decreto de restrições que terminaria hoje, mas que foi estendido para o dia 5 de maio. Além disso, foi anunciada a entrega de novas unidades de saúde exclusivas para o tratamento do Covid-19 nas cidades de Santa Luzia do Paruá e Lago da Pedra.

De acordo com o governador, o novo Hospital Regional de Lago da Pedra estará aberto nas próximas semanas e conta com aproximadamente 50 leitos. A estrutura já está pronta e a inauguração do local era esperada pela população há muito tempo. 

No momento, o governo estadual está realizando o processo de compra de materiais adequados, além da contratação das equipes médicas para atuar no hospital. A ação será muito útil no atual cenário de combate ao coronavírus, uma vez que junto ao Hospital Regional de Bacabal, Lago da Pedra poderá reforçar o tratamento aos casos futuros na região.

A cidade conta atualmente com o Hospital Professor Serra de Castro, que pertence à rede municipal de saúde. O município possui 6 casos suspeitos de coronavírus e uma possível morte pela doença.  

A SES informou ainda que 3.580 pessoas estão com suspeita de contaminação e 3.076 casos foram descartados em todo o estado. De acordo com o governo, 4.397 testes foram realizados.

Mais informações

- Semus confirma morte de paciente suspeito de coronavírus no Hospital de Lago da Pedra: https://www.carlinhosfilho.com.br/2020/04/semus-confirma-morte-de-paciente.html

⬇️⬇️ COMENTE AQUI ⬇️⬇️

3 Comentários

  1. Parabéns Governador

    ResponderExcluir
  2. Onibus do jo ta pra fortaleza trazendo mercadoria. Pegando as bem no centro de fortaleza. Imagine o perigo que pode ser pra nossa região nesse momento cade as autoridades que no fazem nada chega amanha em nossa cidade.

    ResponderExcluir
  3. GOVERNADOR TEM QUE ENTREGAR MESMO O HOSPITAL, ESTÁ COM MEDO DE PROCESSO, EM PLENA PANDEMIA, CONSTRUIDO COM RECURSOS PÚBLICOS, O HOSPITAL ESTÁ HÁ MAIS DE DOIS ANOS CONCLUÍDO, E ELE NÃO QUER ARCAR COM AS DESPESAS DE MANUTENÇÃO.

    ResponderExcluir

Informe da ALEMA