Compartilhe essa Notícia:


Prefeitos do Maranhão devem tomar medidas mais radicais em relação ao isolamento social a partir desta semana como medida de contenção do avanço do novo coronavírus no interior do estado.

A Famem fará um levantamento junto aos prefeitos para orientar sobre o bloqueio total. O departamento jurídico da Famem destaca a importância da medida coletiva para que não gere tumulto e o lockdown deixe de ter o efeito prático esperado.

"Deve ser levado em consideração o parecer técnico da equipe que está monitorando o coronavírus no município", alerta Renata Coqueiro, integrante da Coordenadoria Jurídica da Famem.

O prefeito de São Mateus, Miltinho Aragão, integrantes da diretoria da Federação dos Municípios do Estado do Maranhão, Famem, defende a decretação do lockdown como medida eficaz. Milton Aragão acredita que somente uma ação coletiva será o caminho para conter o avanço da covid-19. A proposta do prefeito é de lockdown pelo período de 15 dias.

Um dos pioneiros a defender o isolamento social no interior do estado, o prefeito de Trizidela do Vale, Fred Maia, continua chamando atenção da mídia nacional. Se manifestaram favoráveis ao lockdown em seus municípios os prefeitos de Arame, Carolina, Belágua, Lagoa Grande, entre outros.

"Concordo totalmente com o bloqueio total. Até porque nós estamos sentindo a gravidade do problema. Somos uma regional e os municípios circunvizinhos nos procuram. Praticamente estamos sem leito de UTI", alerta o prefeito de Pinheiro, Luciano Genésio.

A prefeita de Santa Inês, Vianey Bringel, considera a medida ineficaz no município devido a baixa estrutura para a fiscalização nos estabelecimentos que desobedecerem ao decreto.
⬇️⬇️ COMENTE AQUI ⬇️⬇️

1 Comentários

  1. Eu nunca vi tanta incompetência, saltando aos olhos, generalizada. Restringem a locomoção das pessoas, decretam lockdown, fiscalizam, contratam sem licitar, apresentam dados em coletiva com a imprensa, abrem covas, etc. Mas o mais importante, o que poderia resolver o problema não disponibilizam ao alcance da população: testes e remédios. Dizem que disponibilizam, mas é mentira. Pior, não tem gente competente para denunciar.

    ResponderExcluir

Informe da ALEMA