Compartilhe essa Notícia:


Farda manchada

Como acreditar no que o general Eduardo Pazuello, ministro da Saúde, disser ou fizer doravante? Se tivesse o mínimo de preocupação com a sua e a imagem dos colegas de caserna, pediria demissão depois de desautorizado pelo presidente Jair Bolsonaro no caso da compra da vacina chinesa contra a Covid-19.

Mas, não. Infectado pelo vírus, recolhido ao hotel do Exército em Brasília, onde mora, Pazuello foi acordado, ontem à tarde, para receber a visita de Bolsonaro. E foi constrangido a gravar uma parte de sua conversa com ele onde afirmou: “É simples assim, um manda e outro obedece. Mas a gente tem carinho”.

Vexame, vexame, vexame! Onde já se viu um general render-se a um capitão? Ou melhor: a um ex-capitão? Tudo bem, o ex-capitão é hoje o presidente da República, e o general ainda na ativa, seu vassalo. De toda forma, pegou muito mal para ele entre seus colegas de farda. Primeiro foi desautorizado. Depois, humilhou-se.

No último fim de semana, Pazuello havia combinado com Bolsonaro no Palácio da Alvorada o que diria quando se reunisse com os governadores para discutir a compra de vacinas. E cumpriu o combinado ao anunciar:

“A vacina do Butantan será a vacina brasileira. Já fizemos carta em resposta ao ofício do Butantan, e essa carta é o compromisso da aquisição das vacinas que serão fabricadas até o início de janeiro, em torno de 46 milhões de doses, e essas vacinas servirão para nós iniciarmos a vacinação ainda em janeiro. Essa é a nossa grande novidade e isso reequilibra o processo”.

Aí, o governador João Doria (PSDB), de São Paulo, o padrinho da vacina chinesa no Brasil, celebrou o anúncio nas redes sociais e por toda parte. Aí, no dia seguinte, os bolsonaristas de raiz foram para cima de Bolsonaro nas redes. Aí, furioso e a conselho dos três filhos zeros, Bolsonaro deixou Pazuello pendurado na brocha.

Militares próximos ao presidente, e militares da reserva ficaram indignados com o episódio. Inicialmente, com o que Bolsonaro fez. Ontem, com o que fez também Pazuello. Até porque a vacina chinesa, ainda em fase de teste como as demais, se aprovada acabará sendo comprada. Doria continua rindo à toa.

Essa parada foi ganha por ele, que mais e mais se oferece como o candidato capaz de derrotar Bolsonaro em 2022. Cerca de 70% dos brasileiros se dizem dispostos a se vacinar, segundo pesquisa Datafolha. E parte deles começa a ver Bolsonaro como inimigo de tudo o que possa salvar vidas.

Em tempo: Pazuello revelou que está sendo tratado com cloroquina. Bolsonaro ficou muito satisfeito com o que ouviu.

Por Ricardo Noblat

⬇️⬇️ COMENTE AQUI ⬇️⬇️

8 Comentários

  1. Se esse comentarista fosse imparcial e coerente não emitiria opinião sobre tal assunto. A sua militância politica desautoriza e o torna, no mínimo, impedido para isso. Essa opinião é o gemido de um corpo em declínio. É um dos que teve a mamata suspensa, por isso o gemido.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O comentarista igual a jornalista (Noblat), não tem credibilidade.

      Excluir
  2. Desautorizado o caramba. Ele foi muito irresponsável em querer comprar essa vacina sem consultar primeiro seu chefe, o Presidente da República.

    ResponderExcluir
  3. Esse general é esquerdista.

    ResponderExcluir
  4. Dois lixo .. quem vota nesse bosta tem a mesma mentalidade Bolsonaro representa bem essas pessoas ele fala o que eles não tem coragem.

    ResponderExcluir
  5. Com certeza, desde a pandemia, quem está governando o país é aquele governador de São Paulo.

    ResponderExcluir
  6. Bolsonaro ganha sem mais delongas, carlinhos petista chora que doe menos kkk

    ResponderExcluir
  7. Já saiu foi tarde do lado desse louco inresponsavel

    ResponderExcluir

Informe da ALEMA