Compartilhe essa Notícia:

Kayke disse que é "uma pessoa que brinca muito sobre a coisa de ser pobre"

Médico Kayke Paiva sugeriu que enfermeiros usassem 'xerecard' para ganhar mais dinheiro que a profissão

O médico maranhense Kayke Paiva viralizou na internet após dizer que "ou tu faz enfermagem, ou usa o 'xerecard", ou então tu faz medicina". As declarações foram feitas na conta pessoal do Instagram na última segunda-feira (26).

"Medicina (é) que dá dinheiro. O resto é resto (...). A enfermagem só existe porque a medicina existe", afirmou. O médico recebeu diversas críticas nas redes sociais após uma página sobre enfermeiros recortar e republicar o vídeo.

Ao portal Uol, Kayke disse que é "uma pessoa que brinca muito sobre a coisa de ser pobre".

"Quando mencionei o termo 'xerecard' quis dizer que talvez vender o corpo seja uma boa ideia para ganhar dinheiro, já que a enfermagem está tão desvalorizada".

Pessoas que se sentiram ofendidas com o médico foram se queixar via mensagens, e Kayke chegou a insultá-los. Em uma das conversas, Paiva ameaça "encher a cara de murro" da pessoa que entrou em contato.

Em outra mensagem, ele diz que "vai para o Sírio Libanês" e deseja que a pessoa morra "pobre e diabética dependendo do SUS sem dinheiro nem para o caixão".

O Conselho Federal de Enfermagem (Cofen) vai solicitar ao Conselho Regional de Medicina a abertura de um processo disciplinar contra Kayke Paiva.


Fonte - Último Segundo

⬇️⬇️ COMENTE AQUI ⬇️⬇️

4 Comentários

  1. Só mais um idiota cagando pela boca na web.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. esse ai deve ter se formado em algumas da faculdades particulares de políticos ou no Paraguai, Bolívia, etc que não ensinam ética e respeito.

      Excluir
  2. TOSCO, "ABOÇALIZADO"!!!!

    ResponderExcluir
  3. Estudou medicina para continuar jumento...pobre é o diabo que usa pessoas fracas como esse jovem ai para desqualificar e ofender os demais profissionais.
    "Estude para se tornar uma pessoa melhor, não para ter um diploma".

    ResponderExcluir

Informe da ALEMA