Compartilhe essa Notícia:

Aquecer a indústria de petróleo local e nacional. Este é um dos objetivos centrais das tratativas iniciadas da secretaria de Indústria, Comércio e Energia (Seinc) com a empresa norte-americana Oil Group para a proposta de construção de uma refinaria no Maranhão.

Na manhã desta terça-feira (13), representantes da Oil Group e da Axens (empresa francesa global da área de tecnologia) visitaram, juntamente com o secretário Simplício Araújo, a àrea prevista para implantação da refinaria.

“Iniciamos o diálogo com a Oil Group desde 2017. Em todo este percurso, buscamos trazer para o Maranhão investimentos que possam, efetivamente, agregar à indústria de petróleo local e nacional, além de aumentar a competitividade e o abastecimento”, pontuou o secretário.

Para Simplício Araújo, o investimento previsto da Oil Group no Estado visa, ainda, diminuir os custos logísticos, potencializar a produção e fomentar a economia não somente do Maranhão, mas de todo o país. “Pensar nesta proposta para o Estado é pensar no impacto que uma refinaria como essas trará para a vida de milhares de maranhenses, alavancando diretamente em sua fonte de renda”, acrescentou.

Nos meses anteriores, a Oil Group realizou um estudo de viabilidade econômica para análise dos espaços para construção da refinaria - o investimento previsto para as seis unidades planejadas para o país é de US$ 2 bilhões (no Maranhão, a previsão é de US$ 300 milhões, entre investimento e infraestrutura).

Com instalação próxima aos portos, as unidades maiores da refinaria poderão ter capacidade de 20 mil a 30 mil barris diários. As duas menores poderão chegar de 3 mil a 5 mil barris diários, em áreas próximas à produção terrestre de petróleo.

Participaram da visita técnica Luís Otávio Massa e Fabiano Klauber Diagoné, da Oil Group, e Laurent François Joseph Samy, da Axens.

Posição estratégica

Além do Maranhão, a Oil Group anunciou a pretensão de construir outras cinco refinarias em território brasileiro. Atualmente, a empresa atua em outras partes do Brasil - no Nordeste, por exemplo, com atuação em Sergipe.

A atração de investimentos da empresa ao estado deve-se, em parte, pela localização estratégica do Estado, que favorece a logística em relação aos portos situados no sul do Brasil, principal acesso para combustíveis destinados a grande parte de todo o país.

Os portos maranhenses contam com o melhor calado do arco norte liderados pelo Porto de Itaqui e estão estrategicamente próximos ao golfo do México, grandes descobertas da Guiana e entre potenciais bacias petrolíferas da margem equatorial brasileira como Foz do Amazonas, Pará-Maranhão e Barreirinhas.

⬇️⬇️ COMENTE AQUI ⬇️⬇️

4 Comentários

  1. Povo de pedreiras esta esperando o inicio das obras da praça João do vale Simplício.

    ResponderExcluir
  2. Rodada de mentiras.......

    ResponderExcluir
  3. Charlatão esse secretário

    ResponderExcluir
  4. Kkkkk kkkkk kkkkkkkkkk kkk kk kkk kkkkkkkk kkk kk kk kk kkk

    ResponderExcluir

Informe da ALEMA