Compartilhe essa Notícia:


A reação da China aos ataques do deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) foi recebida com preocupação pela cúpula do governo.

O próprio presidente Jair Bolsonaro foi alertado por auxiliares próximos que o Brasil pode optar pelo modelo de tecnologia 5G que achar mais adequado, mas que o país sairá perdendo se criar uma crise diplomática com a China, nosso maior parceiro comercial.

A avaliação é que por ser filho do presidente, Eduardo Bolsonaro precisa ter um cuidado redobrado.

“Ele não é do governo, mas é o filho do presidente. A repercussão da fala dele é maior do que a de qualquer ministro, tanto que seria o nome para ser embaixador do Brasil nos Estados Unidos. Como bem explicou certa vez o vice-presidente Hamilton Mourão, ele não é o ‘Eduardo Bananinha", ressaltou um experiente embaixador.

Em uma rede social, Eduardo Bolsonaro se alinhou mais uma vez ao discurso do presidente americano Donald Trump e acusou o Partido Comunista Chinês de espionagem. Na postagem feita na noite de segunda-feira (23), o deputado falou sobre a adesão do Brasil à chamada Clean Network (Rede Limpa), articulada pelos Estados Unidos junto a outros países para banir a chinesa Huawei dos serviços de tecnologia 5G.

A embaixada da China no Brasil afirmou em nota divulgada na última terça-feira (24) que as mensagens publicadas pelo deputado são “infundadas” e “solapam” a relação entre os dois países.

Ainda que o post tenha sido apagado após a repercussão, embaixadores de carreira do Itamaraty avaliam que será um erro do Brasil manter esse debate ideológico contra a China, num alinhamento automático com Donald Trump.

Apesar da tecnologia 5G ser uma prioridade para os EUA independentemente de governo, diplomatas alertam que será um erro o Brasil adotar um tom beligerante na discussão.

“O Brasil não tem o tamanho dos Estados Unidos. Para Trump, era estratégico partir para o ataque contra a China num momento de eleição por lá. Mas o Brasil só tem a perder se entrar nessa briga por ideologia”, reforçou esse embaixador.

Fonte - G1

⬇️⬇️ COMENTE AQUI ⬇️⬇️

4 Comentários

  1. Quando vemos aos quatro cantos os esquerdinhas falando mal dos EUA é normal, + se um politico de direita fala mal da china comunista o mundo se acaba.
    Parcialidade era pra ser a palavra chave em "portais de noticias" + oq vemos são panfleteiros da esquerda.

    ResponderExcluir
  2. pura verdade esse comentário.

    ResponderExcluir
  3. Carlinhos! A manchete devia ser a seguinte: China reage após Eduardo Bolsonaro falar a verdade!

    ResponderExcluir
  4. O Brasil presencia hoje uma "burrice sistemática". Na matéria lê-se "A embaixada da China no Brasil afirmou em nota...", mas o gado bolsonarista, na fracassada tentativa de defender o clã Bolsonaro, lança mão de pseudo-argumentos e artifícios bobos como "mas e o Lula?", "Mas e a esquerda hein?". E na falta de argumentos para defender os seus bezerros de ouro, partem para a agressão contra os emissores da notícia, se esquecendo que a reação à afronta dita (ou escrita) pelo 03, partiu da própria Embaixada da China. É o gado bolsonarista usando antolhos e sentido orgulho disso. (sic)

    ResponderExcluir

Informe da ALEMA