Compartilhe essa Notícia:

Vereadores Lindinaldo, Corró e Hamilton do Gás/Foto: Sandro Vagner

Nesta quarta-feira (04), foi realizada uma sessão ordinária na Câmara de Vereadores de Trizidela do Vale, onde foi aprovada a emenda a um Projeto de Lei que reduz a taxa de iluminação pública para a população, em 14%.

Antes, era cobrada a alíquota de 20% sobre o valor em Real (R$) da energia elétrica gasta mensalmente, medida em KWh. A emenda fixou também a taxa que será cobrada para os consumidores de energia solar no Município, ficando em 5%.

A emenda ao Projeto de Lei é de autoria da Mesa Diretora, em nome dos vereadores Corró, Lindinaldo e Hamilton do Gás, mas foi aprovada e assinada pelos demais vereadores que estiveram presentes na sessão, Nanô do Povo, Joãozinho, Belmiro, Dalcy e o vereador Irmão Sival.

Vereadores Dalcy, Irmão Sival, Joãozinho, Nanô do Povo e vereador Belmiro/Foto: Sandro Vagner

Na semana passada, um Projeto de Lei foi aprovado pela maioria dos vereadores, mas fixando a taxa de iluminação pública apenas para os consumidores de energia solar, agora, a população, como um todo, foi beneficiada.

O Presidente da Câmara, vereador Corró, um dos autores da emenda, destacou o benefício a todos e não apenas para quem está instalando energia solar. "O Projeto é muito importante, eu acredito que vai beneficiar toda a população, principalmente a classe baixa. Isso vem sendo discutido e, graças a Deus a gente chegou num consenso para que hoje nós tomássemos essas providências", disse o presidente.

A nova taxa de iluminação pública entra em vigor após a sanção do Prefeito Fred Maia.



Com informações Sandro Wagner

⬇️⬇️ COMENTE AQUI ⬇️⬇️

3 Comentários

  1. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk fizeram isso porque estava perdendo votos por causa disso, bando de mentirosos

    ResponderExcluir
  2. Impressionante o que Vinicius louro fez. Obrigado por ter induzido a Câmara a votar pela redução.

    ResponderExcluir
  3. A taxa de Pedreiras é muito menor que Trizidela. Vinicius louro já deu uma grande iniciativa nessa redução.

    ResponderExcluir

Informe da ALEMA