Compartilhe essa Notícia:


Em Pedreiras, um pai é apontado como autor de vários atos de violação sexual contra a filha de apenas 6 anos. De acordo com as investigações, o crime vem ocorrendo há muito tempo e a mãe desconfiou que a filha vinha sendo estuprada quando a família ainda morava no município de São Gotardo, em Minas Gerais. 

De acordo com a mulher, o pai teria aproveitado a ausência dela na casa para cometer o crime, já que ela passava o dia trabalhando. "Ele não queria trabalhar, não queria nada com a vida, aí dizia para mim que ia deixar minha filha na casa da minha mãe. Só que quando ela ia na casa da minha mãe, eu via que a vagina dela ficava um pouco inflamada. Daí minha filha se sentia obrigada a falar que era "sabonete", coisa que o pai dizia também", disse a mãe. 

Porém, a confirmação de que houve violência sexual veio depois. A mulher resolveu retornar para Pedreiras, cidade em que nasceu, onde a vítima passou por um exame de corpo de delito atestando conjunção carnal. O relatório emitido pela Polícia Civil ainda no mês de agosto indicava que a paciente apresentava vários pontos de ruptura no hímen, tanto antigas como recentes. 

No mesmo dia, a mãe registrou queixa na 14ª Delegacia Regional, porém, no mês de novembro o Conselho Tutelar interviu a pedido do pai, que queria rever a menina. Ele também é maranhense e nessa altura já tinha retornado à Pedreiras. 

A mãe denunciou que durante essas novas visitas que a filha fez ao pai os estupros se repetiram. "Ele repetiu tudo, acho imaginando que eu nunca ia descobrir. Nesse período ela chegou a vê-lo mais duas vezes, na última vez foi no Dia dos Pais. No relatório da polícia dizia que havia lesões antigas e recentes, e que a mais recente havia sido justamente no Dia dos Pais. Na terceira vez que era para ela vê-lo, a minha filha já não queria mais ir, estava nervosa, estressada e com trauma, chorando muito", continuou a mãe.

A vítima ficou internada no Hospital da Criança em São Luís por cinco dias, apresentando convulsões, ataques de epilepsia e tratando uma condição ginecológica. Ela já teve alta, mas a mãe acredita que todos esses problemas de saúde tem a ver com a violência sexual.  

A Polícia Civil afirma que as investigações do caso já foram concluídas e o inquérito enviado ao Ministério Público ocorre em segredo de justiça. Apesar disso, o pai acusado do crime de estupro ainda não foi preso. 

⬇️⬇️ COMENTE AQUI ⬇️⬇️

9 Comentários

  1. Manda ele aqui pro complexo de pedrinhas🙃

    ResponderExcluir
  2. Constatado a conjunção carnal, a mãe e o conselho tutelar ainda deixam esse vagabundo ver a menina?
    Cadeia p todos

    ResponderExcluir
  3. esse vagabundo só pode ter $$ pra no ter sido preso ainda

    ResponderExcluir
  4. Que absurdo! Se essa criança estivesse trabalhando o Conselho Tutelar ja tinha inteevido... Agora em algo tão grave ficarão esperando o que. Detalhe ainda deixa um crápula dele ter contato com a criança.
    A impressão que dá é que além do culpado, houve a permissão de aproximar por quem devia proteger. Muito TRISTE isso

    ResponderExcluir
  5. pior de. tudo é saber que ele está solto e todos sabemos quem é mais a política ta no meio vergonhosos issso

    ResponderExcluir
  6. Tem que colocar essa vagabundo na cadeia cadê as autoridades cadê a pomotura? juizado de menor ?onde anda a justiça justiça justiça justiça cadê a população pra colocar ele no inferno

    ResponderExcluir
  7. Triste isso cadê o conselho tutelar cadê o juizado de menor cade a promotora

    ResponderExcluir
  8. Revoltante esse vagabundo vivi aí nas ruas ,com a filha fez isso imagine com uma que ñ é nada ... Vergonhoso

    ResponderExcluir
  9. Vagabundo e pra já tá morto bom tempo esse conselho e uma merda

    ResponderExcluir

Informe da ALEMA