quinta-feira, 14 de março de 2019

Sem professores, pais são obrigados a buscar os filhos nas escolas municipais de Paulo Ramos

Em decorrência de uma decisão equivocada da prefeitura de Paulo Ramos (MA), centenas de alunos de escolas municipais estão sem aulas em pleno mês de março.

O prefeito Deusimar Serra (PCdoB) baixou um decreto no início deste mês removendo mais de 100 professores que estavam lotados em escolas da sede, para escolas da zona rural.

Por falta desse significativo número de professores, escolas da sede não têm como funcionarem. Segundo a prefeitura, os professores foram aprovados em concursos públicos para exercer o magistério em escolas de povoados, estariam indevidamente em escolas da sede e, agora, estão sendo ‘relotados’ nas escolas de origens.

Os professores atingidos pela medida alegam que já estão há anos trabalhando em escolas da sede (alguns até com 11 anos) e já teria estabilidades para continuarem lecionando na cidade.

O certo é que o decreto está valendo e escolas da cidade de Paulo Ramos estão sem aulas por falta de professores.

“Os pais já estão sem saber o que fazer, já que no decorrer da semana nem os diretores e a secretária de Educação se manifestaram sobre o fato”, disse um cidadão paulo-ramense.


Na manhã de quarta-feira (13), um internauta gravou um vídeo na Escola Municipal Cônego Bonfim ,que registrou a lamentável realidade da educação pública de Paulo Ramos. Os pais sendo obrigados a buscarem os filhos na escola por falta de aulas. Uma mãe classificou a situação de "molecagem". Ela explica que já são vários dias que ela volta com sua filha para casa e sem nenhuma explicação por parte da diretora e da secretária de Educação. Outros pais ameaçam levar o problema da falta de aulas para o Ministério Público.

Caso a SEMED de Paulo Ramos queira se manifestar, esse é o email do blog: pf.carlosalberto@hotmail.com. 

Entenda mais 

SEMED de Paulo Ramos determina que professores que estão há anos trabalhando na sede regressem para escolas da zona rural



9 comentários:

  1. O problema é quê professor na verdade não quer trabalhar e quem paga o preço é o prefeito

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A mais pura verdade, ó classisinha que se acham, querem ter direito mais duquer todo mundo, e qualquer coisa já tão falando em greve. Precisa ir aparecendo uns prefeitos com coragem para enfrentar esse preguiçosos, aqui em Lago dos Rodrigues quando o Valdemar era prefeito ele tinha pusso para lidar com eles, quando professor inventava greve o Valdemar mandava eles tomar no c..

      Excluir
    2. Gostei deste comentário acima... mas a frase está construída de forma inversa, além de estarem faltando professores em algumas escolas, quando há professores faltam os zeladores e/ou cozinheiros. Os alunos perdem e a culpa é da ADMINISTRAÇÃO. Deve ser muito bem pago em outra função pra fazer um comentário desses a favor de PREFEITO... CONVIDO VOCÊ LEITOR A FAZER UMA VISITA NAS ESCOLAS DA SEDE E COMPROVE A VERDADE LAMENTÁVEL... QUERIA QUE FOSSE BOAS NOTÍCIAS, POIS SE TRATA DA EDUCAÇÃO, FUTURO DE TODOS! Tenhamos um ótimo dia! 15/03/2019.

      Excluir
    3. Essas pessoas que fizeram os dois primeiros comentários devem fazer parte da cúpula de algum prefeito e recebem bem para estarem detonando os professores. São tão desinformados... A falta de professores não é por greve. É que a equipe incompetente do prefeito resolver tirar os professores das salas depois que iniciou o ano letivo!

      Excluir
  2. É a categoria quê mais quê ter direito mais infelizmente são os menos compromissados . Dê uma certa forma dá aulas não é bom não mais se vc optou por isso assuma

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você com certeza deve estar recebendo uma boa grana do prefeito para comentar essas asneiras

      Excluir
    2. É lamentável que esses idiotas façam esse tipo de comentário. Professores merecem o nosso respeito. É por causa dessa desvalorização que a educação não vai pra frente.

      Excluir
  3. A culpa ė do Bolsonaro !

    ResponderExcluir
  4. A realidade da educação no Brasil é muito triste. Mas em Paulo Ramos chega a ser lastimável, pois enquanto uns estão no ar condicionado da SEMED ganhado seus 8 a 10 mil reais por mês com duas matrículas, quem realmente trabalha esta recebendo o salário base de R$ 1500,00 sem nunca saber nem o que é trabalhar 13 aulas por semana. Pois quem trabalha de 1° ao 5° ano trabalha de segunda a sexta. Não tempo tempo dentro da carga horaria para extra classe.

    ResponderExcluir