Compartilhe essa Notícia:

OUL

Em escala em Boa Vista (RR) durante a viagem para os Estados Unidos, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) discursou para apoiadores e convocou os brasileiros a participar das manifestações marcadas para 15 de março.

Quando vazaram suas mensagens de WhatsApp divulgando vídeos em favor das manifestações, o presidente havia dito que não estava fazendo nenhuma convocação. Que apenas compartilhara os vídeos em grupos restritos de amigos. Agora ele assume publicamente a convocação.

O chefe do poder Executivo argumentou em Roraima que o movimento não é contra o Congresso ou contra o Judiciário, e sim "pró Brasil".

"É um movimento que quer mostrar para todos nós, para o Executivo, Legislativo e Judiciário que quem dá o norte para o Brasil é a população. Não somos nós políticos que dizemos para onde o Brasil deve ir. Nós apenas conduzimos. E o povo que diz para onde o Brasil deve ir. O movimento de rua é muito bem-vindo porque, dessa forma, estamos submissos a lei como diz o artigo 5º da Constituição. Participem e cobrem de todos nós o melhor para o Brasil. Nós temos obrigação de atendê-los", disse.

Sobre as críticas de que as manifestações seriam antidemocráticas, o presidente afirmou que isso é mentira e é usado como desculpa por "quem tem medo de encarar o povo brasileiro", disse.

Facada no pescoço

Além de convocar a população para as manifestações, Bolsonaro afirmou que "levou uma facada no pescoço", em seu gabinete, por pessoas que não pensam no Brasil, somente neles.

Em linguagem figurada, o presidente da República quis dar a entender que tentaram chantageá-lo em seu gabinete.

Entretanto, ele não detalhou quem seriam os autores das pressões contra o país. Desde que assumiu a Presidência, Bolsonaro já trocou todos os ministros do Palácio mais envolvidos nas articulações com o Congresso: os ministros da Casa Civil, da Secretaria-Geral e da Secretaria de Governo.


⬇️⬇️ COMENTE AQUI ⬇️⬇️

6 Comentários

  1. esse louco tem é que sair muito rápido....o Brasil tá afundando...o poder de compra ficou mais difícil....onde encontramos esse cara!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aonde encontra o presidente de um país
      O açougueiro no açougue
      O Ricardão na sua casa

      Excluir
    2. falou um bolsa preguiça, vai trabalhar vagabundo.

      Excluir
  2. Verdade, o poder de compra de deputados ficou muito mais difícil, hoje os deputados estão procurando um meio de tirar esse cara pois está atrapalhando o meio de propina dos deputados, o congresso está em abstinência de propina

    ResponderExcluir
  3. Apesar da GRANDE CRISE ECONOMICA MUNDIAL, ele tem feito as reformas necessárias para o Brasil se segurar nesses tempos de instabilidade econômica mundial

    ResponderExcluir
  4. A domesticação ideologica é o ápice da loucura, nunca assume os erros cometidos. Além do Brasil, Venezuela e Cuba bem aqui do lado, não são o bastante para ver que o socialismo é um engodo, total fracasso? Quem reduziu o poder de compra foi o aumento da quantidade de dependentes por benefícios sociais. Agora tá difícil mudar a situação, com quantidade crescente de dependentes, piores alunos (segundo o PISA), cultura criada da dependência do Estado, uma parcela da população que quer mamar nas tetas do Estado, etc. Poder de compra aumenta com geração de riqueza... geração! Em 1978, aos 17 anos, forçosamente tive que sair de Pedreiras em busca de oportunidades, e não fui por orientação, fui porque era a única opção. Tenho arrepios ao imaginar, se houvesse bolsa família não tinha saído. Não sou contra, o bolsa família, é necessária. No caso da minha mãe, apesar de ter todos requisitos na época para recebê-lo hoje, o tempo provou que, eu e 7 irmãos, tivemos somente benefícios, nenhum prejuízo. O paternalismo do Estado esconde a perversão de domínio e controle social. Acredite em vocês, vocês têm potencial. As dificuldades não são inimigas, são oportunidades para materializar a capacidade que tentam aprisionar dentro de vocês.

    ResponderExcluir

Informe da ALEMA