Compartilhe essa Notícia:


Veja na reportagem do IMIRANTE.COM


O decreto divulgado hoje (11), mantém o isolamento social em todo o estado, mas dá margens para os municípios decidirem sobre funcionamento do comércio.

O governador Flávio Dino publicou o decreto no início da tarde deste sábado (11) a respeito das atividades econômicas e o período de isolamento social no Maranhão. Foi prorrogado por mais uma semana o funcionamento do comércio para os serviços classificados como não essenciais na Grande São Luís, que engloba a capital do estado, São José de Ribamar, Raposa e Paço do Lumiar. De acordo com a medida emergencial, todas as atividades comerciais que não forem imprescindíveis ficarão de portas fechadas até o dia 20 de abril. Vale destacar que a capital maranhense concentra 94% dos casos de coronavírus no Maranhão.

Comércio no interior do estado

Já sobre o funcionamento do setor comercial no interior do estado, o decreto define que as regras deverão ser adequadas conforme a realidade de cada região, levando em consideração a quantidade de casos e óbitos pelo Covid-19 em cada cidade. Desta forma, as prefeituras municipais poderão ter autonomia na decisão do fechamento do comércio de suas respectivas cidades até o dia 20 de abril. Vale destacar que perto dessa data, o Governo do Maranhão pode estender o prazo, de acordo com a situação dos casos do novo coronavírus em todo o território maranhense.

De fora das regras do decreto, o município de Timon, localizado no sul do Maranhão, está inserido as normas estabelecidas pelo Governo do Piauí, por fazer parte da Região Integrada de Desenvolvimento da Grande Teresina.
⬇️⬇️ COMENTE AQUI ⬇️⬇️

6 Comentários

  1. Rapaz o negócio agora vai pegar. Por que os prefeitos com certeza vão abri as feiras.

    ResponderExcluir
  2. Acho que comercio no médio Mearim vai abri completamente. Que depender dos prefeitos eles vão abri mesmo.

    ResponderExcluir
  3. O dinheiro já caiu agora se quiserem que se virem.
    Esse governo corrupto.
    Agora vc vão todos abrir os comércios pq os prefeitos depende também dos comércio.

    ResponderExcluir
  4. É abrir e quando morrer o primeiro, fecha de novo.

    ResponderExcluir
  5. Lamentável! Era tudo que os prefeitos queriam ouvir. O que já estava bagunçado, agora desmantelou de vez. Nesse momento, começa a falar mais alto o interesse pelas eleições ou reeleições. Todos sabemos que nossas pobres cidades não têm a estrutura suficiente para combater esse inimigo invisível e avassalador. É muito cedo achar que tudo já está normal!
    Que Deus nos proteja!

    ResponderExcluir

Informe da ALEMA