quinta-feira, 21 de abril de 2016

CALMA, VIOLÊNCIA: Pedreiras e Trizidela do Vale não suportam mais!


A reunião aconteceu na noite de terça-feira no auditório da ACIAP, localizado Avenida Rio Branco, centro de Pedreiras e contou com a presença de um grande número de pessoas da população, além das autoridades que foram falar do assunto violência: Benselmo Braga (ACIAP), Ten. Cel. Everaldo (Comandante 19 BPM), Silvana Prazeres (Delegada PC), Rafael Almeida (Delegado PC), Márcio Mendes (Delegado PC), Dr. Marco Adriano (Juiz 1 Vara Comarca de Pedreiras), Dra. Gabriela Everton (Juíza 2 Vara Comarca de Pedreiras), José Carlos (Promotor de Justiça), Fred Maia (prefeito de Trizidela do Vale), Michelle Cantanhede (Sociedade Civil) e Francinete Braga (Conselheira de Cultura).
A abertura dos trabalhos fora feita pelo anfitrião do encontro, Benselmo Braga, presidente da ACIAP - Associação Comercial, Industrial e Agrícola de Pedreiras, que juntamente com a classe empresarial e sociedade civil manifestaram-se preocupados com o crescimento da violência que vem ocorrendo em Pedreiras e Trizidela do Vale.

Benselmo

Após a formação da mesa, Benselmo Braga fez uma saudação aos presentes, agradeceu ao chamado e exibiu um vídeo sobre câmeras de monitoramento que existem em determinada cidade do Brasil, para mostrar que é um dos métodos que pode ser usado no centro comercial de Pedreiras e falou dos custos que isso pode gerar a quem tiver a iniciativa de fazê-lo, no caso, o comércio, o mais prejudicado com essa onda de assalto. Explicou que não basta só instalar o sistema de vídeo monitoramento, mas a contratação de pessoal para operar, manutenção e operacionalização. Falou que em anos passados a ACIAP já doou à Polícia Militar, duas motos bros e celulares para comunicação entre população e polícia. Citou o crime do empresário Nivaldete e lamentou profundamente o crime bárbaro que acontecera com o jovem Messias, que foi morto e esquartejado por três elementos que já foram identificado pela Polícia Civil. Disse que esse foi o crime mais cruel que já ouviu falar na cidade de Pedreiras, foi de tal brutalidade que não tem nem como classificá-lo.
Após sua fala, Benselmo ficou mediando na mesa de trabalhos e deixou as autoridades se pronunciarem. Mas antes lamentou que todas as determinações discutidas em reuniões passadas sobre segurança, nada foi colocado em prática. E, citou: guaritas nas entradas da cidade, vídeo monitoramento, blitz intensas, coibir menor ao volante e pilotando motos, revistas diárias, polícia ostensiva nas ruas, rondas etc.

Tenente Coronel Everaldo

O comandante do 19ª Batalhão disse que já está há oito meses no comando do 19º Batalhão de Pedreiras e tem colocado em prática a mesma estratégia e metodologia que sempre aplicou por onde passou. Falou da sua experiência de 25 anos de corporação diante da segurança pública do Maranhão. Falou que tem trabalhado diuturnamente par combater a criminalidade na região que engloba 14 cidades; e, que a prova disso são as constantes prisões que a polícia tem feito, com busca e apreensão. Lamentou o pequeno contingente, a falta de viaturas, aparelhamento sucateado, falta de estrutura e uma série de problemas que impedem da polícia realizar um trabalho a altura que requer a sociedade. Disse que além dos problemas de falta de estrutura, têm aqueles problemas que são inerentes da corporação, os improvisos que às vezes acaba mudando uma programação: problemas no presídio, julgamento em fóruns da região e outros que fazem com que o número de policiais fique mais resumido. "O problema de Pedreiras não é difícil de resolver. Cadê o pai e a mãe desses menores que estão aterrorizando a cidade e tirando a paz da população? SE FOR PARA RESOLVER, A GENTE RESOLVE.", disse o Comandante Everaldo.
Delegados, em continua...

Silvana Prazeres, Rafael Almeida e Márcio Mendes, todos delegados de Polícia Civil, em suas falas, foram uníssonos no mesmo discurso quando proferiram a realidade triste que hoje vive a segurança do nosso estado. E, discorreram: Silvana Prazeres disse que desde de 2003 que está à frente da 14º delegacia de polícia civil de Pedreiras. É responsável para cobrir 14 municípios com apenas 7 investigadores e um pequeno números de agentes civis. Rafael Almeida também reforçou as palavras da companheira e disse que a falta de estrutura é um grande problema; mas tem trabalhado e dado resposta. Segundo ele, nunca na história de Pedreiras, se aprendeu tanto menores. Disse que se eles depois estão nas ruas, é a lei. "Não fazemos nada além e nem a quem do que está na lei. Quando nós somos chamados, é porque tudo falhou. E, tudo só recai sobre nós", disse o delegado. Márcio Mendes, delegado de Trizidela do Vale, referindo-se aos crimes que têm acontecido naquele município, disse que estão sendo investigado, que é questão de tempo os criminosos estarão na cadeia. Lamentou a mesma precariedade que falaram seus parceiros.

Fred Maia

O prefeito de Trizidela do Vale, Fred Maia, como já é de costume ser polêmico em suas falas por aonde vai, às vezes, por ser incompreendido pela forma direta e autêntica que aborda os assuntos em questão, e, devido à coerência com que coloca as suas ideias, começou relatando que na marcha dos prefeitos, ouviu de Sua Excelência, o governador do Estado dizer que estava proibido gastar com segurança pública. Falou dos órgãos de segurança que levou para o seu município como Corpo de Bombeiros, Delegacia de Polícia Civil e Destacamento de Polícia Militar, tudo com seus esforços, sem apoio do Estado e nada. Alugou prédios, casas, reformou, climatizou e trouxe esses órgãos no sentido de dar segurança aos seus munícipes. Disse que gastou 40.000,00 reais em 45 dias com reformas para dar condições de um lugar apropriado para a implantação da segurança em Trizidela do Vale. O prefeito Fred Maia disse que a questão da segurança tem que ser trabalhado na base, que é preciso criar meios e condições sociais de vida digna para que as crianças e os jovens possam ter um futuro digno. E, disse: “ O grande problema é que por mais que você faça, ainda criticam e dizem que o prefeito não faz nada. Educação de qualidade em um município é uma forma de combater a violência, pois a educação livra o jovem da marginalidade e do mundo das drogas. Tudo isso, a nossa administração tem feito. Vá lá, ver!!! Eu gasto por mês com segurança em Trizidela do Vale um valor muito alto. Toda a despesa de alimentação, manutenção de veículo, abastecimento, é a prefeitura que faz. Não vem um tostão de lugar nenhum para se fazer segurança. Agora tem uma coisa que eu vou falar aqui que eu sei que o Coronel e nem os Delegados podem falar, porque se falar serão todos transferidos lá para o fim do mundo, lugar onde ninguém quer ir. É mentira, Coronel e senhores Delegados? Até questão de IML e mexer com cadáver como exumar, é a prefeitura que faz. Quem faz esse trabalho é o nosso funcionário Jhonata Almeida, pago pela prefeitura, como outros para fazer esse tipo de serviço, futucar cadáver para fazer perícia etc. Temos combatidos a violência com educação de qualidade, merenda escolar, pró-jovem, palestras, encontros e apoio à menor gestante. O problema é que os pais não estão colaborando, não estão acompanhando a educação dos seus filhos e tudo só sobra para o professor e para o município que quando alguém faz algo errado, a culpa é do prefeito. Ninguém é bom. Já vi roda de advogados aqui em Pedreiras reclamando até da eficiência de Dr. Marcos Adriano, que o homem dar prosseguimento nos processos muito rápido.

Michelle Cantanhede falou representando a sociedade civil e citou os projetos que têm desenvolvido na comunidade no sentido de combater os grandes índices de vulnerabilidade. Tem liderado atos públicos que chamam a comunidade para o despertar e o diálogo sobre os problemas que afligem a cidade.

Juiz e MP

Os demais representantes do Poder Judiciário, como Promotor de Justiça José Carlos, Juiz Dr. Marcos Adriano e a Juíza Dra. Ana Gabriela Costa falaram do trabalho da justiça diante de todos esses fatos que vêm acontecendo na cidade. Segundo eles o judiciário está fazendo a sua parte obedecendo a Constituição.

Em seguida, alguns populares presentes aproveitaram para fazer perguntas, dar ideias e fazer perguntas às autoridades presentes.

Acreditamos que se não for mais uma reunião para ficar só nos discursos, e se tudo que foi anotado como ideias de estratégias para coibir a violência, teremos dado um importante passo e, o mérito para a ACIAP que mais uma vez toma a frente de uma causa muito importante: a nossa segurança.

“Durante esses longos anos que vivo nessas duas cidades coirmãs - Pedreiras e Trizidela do Vale, Maranhão - já perdi as vezes que sai de minha casa para participar de reuniões e discutir sobre diversos assuntos: cultural, ambiental, social, religioso, educacional, político etc. Entretanto, participar de reunião para discutir como criar estratégias para combater o crescimento alarmante de violência em Pedreiras e Trizidela do Vale, isso jamais teria participado; e, jamais, algum dia, imaginei que as pessoas de bem, juntamente com as autoridades locais fariam isso: em caráter de urgência, sentassem população e os poderes constituídos, órgãos de segurança, para discutir o problema da violência.

Não dá mais para aguentar! Chega! O povo cansou. A classe empresarial e os comerciantes não suportam mais verem suas lojas saqueadas todos os dias, seja dia ou noite. As famílias não aguentam mais verem seus entes queridos sendo mortos por latrocínios, nos quais os crimes são cometidos na grande maioria por menores.

É triste ter que dizer isso para o mundo. Não sou eu quem está inventando. Eu não tenho vocação para sensacionalista, mas segundo as autoridades de segurança, polícias Civil e Militar, do poder Judiciário, do Ministério Público e da própria Associação Comercial Industrial e Agrícola de Pedreiras, na pessoa do seu presidente Benselmo Braga, esses dois municípios vizinhos que se unem através da ponte Francisco Sá, ultrapassaram por esses dias todos os recordes de violência da sua história nesses 96 anos. E, a cada dia piora.”













Por Joaquim Filho

6 comentários:

  1. E a Falta de vergonha de alguns comerciantes da nossa cidade em colocar na Av. Rio Branco cones nas portas de seus comércios? Uma falta de respeito com seus proprios clientes e a populacao em geral. Onde fica as fiscalizações? A falta de estacionamento já é difícil, e esses "comerciantes sem noção" ainda fazem isso... E as vagas de deficientes, idosos que no solo do municipio nao existem?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vc tem razao, mas pense no seguinte. Vc comerciante e tendo que carregar e descarregar os caminhoes de entrega. e chegando la tem carro e motos estacionadas e vc precisando carregar e descarregar, vc vai parar no meio da rua ou em fila dupla?

      Excluir
    2. Amigo, vc colocar cones na via pública, vc está sendo infrator da mesma forma de que parar no meio da rua ou em fila dupla. Vc já ouviu falar na regulamentacao de horários de carga e descarga? NADA perante a Lei, justifica que comerciantes coloquem cones ou algo parecido com o intuito de reservar vaga para si na via pública. Estude o CTB. Vcs prejudicam seus próprios clientes e a população em geral.Agora onde para os infratores multa por isso? A guarda municipal, Polícia Militar e o Ministério Público acho que não estão vendo isso... Será? A Rua é pública e não dos comerciantes.

      Excluir
    3. Os comerciantes tem que ter um depósito e lá dentro do seu terreno fazer suas cargas e descargas. O engraçado que alguns comerciantes estão preocupados com os crimes e esse crime de fazer reserva da via pública para si? O proprietário do comércio tem que se responsabilizar por isso e ser autuado na medida certa.

      Excluir
  2. Carlinhos por favor, faz uma matéria sobre as vagas de estacionamento ocupadas por cones, e tbm a Falta de estacionamento para deficientes e idosos.

    ResponderExcluir
  3. Esse comandante é um amador em segurança pública e já deveria ter iso embora de pedreiras. Que saudades do Delegado Cascais.

    ResponderExcluir