quinta-feira, 6 de dezembro de 2018

Assaltantes voltam a apontar arma de fogo para criança em Pedreiras

Imagem ilustrativa 

Na noite da última quarta-feira (5) houve dois assaltos, um em Pedreiras e outro em Trizidela do Vale. E como de costume, os bandidos preferiram alvos fáceis, como mulheres e crianças.

O primeiro crime ocorreu no Bairro Jerusalém, em Trizidela do Vale, em que uma vítima acabou tendo o celular subtraído por dois elementos numa moto, ainda não se tem informações detalhadas do caso. O segundo, ocorreu na Rua Rosana Barroso, Bairro do Mutirão em Pedreiras; por volta das 18h; indivíduos numa motocicleta Pop, cor preta, tiveram a ousadia de apontar um revólver para a cabeça de uma criança de 12 anos, que estava brincando na rua. 

Não é a primeira vez que um caso do tipo ocorre região. No último 13 de novembro, o blog do Carlinhos informou que um menino de 10 anos teve uma arma de fogo apontando em sua cabeça durante um assalto. O fato foi noticiado pela imprensa de Pedreiras. Relembre o caso.


_ Ribinha da FM Cidade


Durante assalto, elementos apontam arma de fogo para cabeça de criança em Pedreiras; http://www.carlinhosfilho.com.br/2018/11/durante-assalto-elementos-apontam-arma.html  

5 comentários:

  1. muito triste uma sena desa para um pai e uma mae ver um verme apontando uma arma para uma criança tem quer ser esteminado como si.foce um inceto arqueroso um dia vagabundos vcs vao ter sorte de encontar um caba doido pode ter na sertesa quer vao ai chef vai ser game over

    ResponderExcluir
  2. Essa pedreira ja está virando é mulecagem

    ResponderExcluir
  3. mulecagem em alto grau leis brandas dar nisso mesmo so quem sofre é o cidadão de bem que fala pra conseguir as coisas é os vagabundos vem é levam é nao dar em nada agora vai um cidadão mata uma peste dessa pra v num tem socego nunca mais na vida

    ResponderExcluir
  4. E triste pra um pai e uma mãe ver uma situação dessa ai. Eu como mãe só em ver partiu meu coração agora imagina para os pais. Até que ponto chagamos!!! Estamos amarrados e aprisionados do nosso próprio lá por que nem na porta se pode sentar

    ResponderExcluir