Compartilhe essa Notícia:

Caso envolve doações a instituto. Ex-presidente diz que ação é descabida e ato de perseguição.


O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o ex-ministro da Fazenda Antonio Palocci e o presidente do Instituto Lula, Paulo Okamotto, viraram réus nesta sexta-feira (23) pelo crime de lavagem de dinheiro em um processo da Operação Lava Jato.

Conforme o Ministério Público Federal (MPF), o crime envolveu doações da Odebrecht ao Instituto Lula para disfarçar repasses no total de R$ 4 milhões, entre dezembro de 2013 e março de 2014.

Dois ex-executivos da Odebrecht também tiveram a denúncia aceita pelo juiz federal Luiz Antônio Bonat, da 13ª Vara da Justiça Federal de Curitiba, no fim da tarde desta sexta. Eles se tornaram réus pelo mesmo crime.

A defesa de Lula afirmou que a decisão é um ato de perseguição e que a ação penal é descabida. Veja o posicionamento completo no fim da reportagem.

A denúncia da força-tarefa foi apresentada em 14 de setembro deste ano. O ex-executivos Hilberto Mascarenhas Alves da Silva Filho e Alexandrino de Salles Ramos de Alencar foram denunciados depois. As penas previstas nos acordos de colaboração não atingiram o limite.

Conforme a decisão, a denúncia se embasa em depoimentos convergentes de colaboradores da operação, mensagens eletrônicas e documentos, como planilhas de pegamentos e recibos.

Bonat apontou que uma planilha apreendida com Paulo Okamotto faz menção a valores solicitados a diversas empreiteiras e tem anotação de pagamento dos R$ 4 milhões ao instituto em nome da construtora Norberto Odebrecht.

"Tais evidências bastam, em um juízo de cognição sumária, para o recebimento da denúncia, eis que detém ela lastro probatório mínimo em desfavor dos acusados acima nominados. Questões mais profundas a respeito da responsabilidade criminal demandam regular instrução processual", afirmou.

Este é o quarto processo da Lava Jato em Curitiba no qual o ex-presidente Lula se torna réu. Nos casos do triplex no Guarujá (SP) e do sítio em Atibaia (SP) ele foi condenado. O terceiro processo, envolvendo um terreno e um apartamento em São Paulo, ainda não foi julgado.

Fonte: G1
⬇️⬇️ COMENTE AQUI ⬇️⬇️

8 Comentários

  1. E claro que deve ser perseguição ao pai dos pobres, ele ficou rico através de palestras e as venda de Avon da mulher .

    ResponderExcluir
  2. Rapaz, esse vagabundo quis distribuir a riqueza do país para os menos favorecidos. Nós da classe alta não admitimos em hipótese alguma em ter que ver um operário no restaurante jantando do meu lado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vc é mesmo é um idiota fudido!

      Excluir
    2. seu idiota petista Lula da migalhas a população mas humilde, e prendem eles a um sistema , de quê sempre irá depender do governo, Lula deu migalhas aos pobres e grana alta para ele e os empresários aliados dele que faz parte do esquema!!!

      Excluir
  3. Pessoal do nordeste dêem mais uma chance ao lula ele não irá enganar o povo de novo não, acreditem.

    ResponderExcluir
  4. É por isso que essa ideologia nefasta nunca deu certo em lugar nenhum. A esquerda acha que o bem estar é consequência da distribuição de riqueza, não da geração e são ignorantes pra entender essa lógica. A idiotice é extrema, nem a Venezuela aqui do lado é suficiente pra demonstrar que estão equivocados. Eu desisto... args.

    ResponderExcluir
  5. já pode pedir musica no fantástico

    ResponderExcluir

Informe da ALEMA