Compartilhe essa Notícia:


O secretário de Indústria, Comércio e Energia (Seinc), Simplício Araújo, reuniu com o Capitão Fabrício, do 3º Batalhão de Engenharia de Construção do Exército Brasileiro, nesta quarta-feira (22), para dialogar sobre o andamento das obras de recuperação da BR-135.

A reunião teve por objetivo debater sobre as dificuldades e o planejamento para as obras na rodovia. “Estamos acompanhando de perto a recuperação da BR-135, que conta com o apoio da Seinc desde o início. Estamos empenhados em agilizar este processo juntamente ao Exército, assim como o funcionamento da base, para juntos entregarmos esta importante via de transporte que impacta diretamente na vida dos maranhenses”, afirmou o secretário.

Foi discutido, também, sobre a manutenção da área cedida pela Seinc ao Exército - uma antiga área onde seria instalada a refinaria Premium, de responsabilidade da Secretaria - para a construção de uma usina de asfalto no canteiro de obras.

A área cedida passou por vistorias da Seinc, do Exército e do departamento Nacional de Infraestrutura e Transportes (Dnit), após o início dos levantamentos topográficos do local.

“Esta usina será de extrema importância, principalmente para acelerar os trabalhos de restauração asfáltica, que irá servir tanto para o trecho de Bacabeira à São Luís quanto como de Bacabeira para Miranda, que será duplicada agora”, acrescentou Simplício Araújo.

⬇️⬇️ COMENTE AQUI ⬇️⬇️

4 Comentários

  1. Papai bolsonaro faz e a cambada de comunista casando geito de se entrar tem geito nao bolsonaro de novo

    ResponderExcluir
  2. Quando o Diabo não vai, manda o Secretário.. rsrs


    O F. Diabo num vai porque o tempo dele é nas redes sociais atacando Bolsonaro , fazendo a politicagem comunista mentirosa dele. Ai, manda o secretario...rsrs

    ResponderExcluir
  3. Bolsonaro faz, e o outro quer aproveitar para aparecer !

    ResponderExcluir
  4. Tudo corria bem, aí o secretário diz que "estamos acompanhando de perto". Essa afirmação gera preocupação com a paralisação das obras, visto que se o exército sair do controle e comando e outros assumirem, vai ser entregue gato por lebre. O período em que essa obra se arrasta diz muito sobre isso.

    ResponderExcluir

Informe da ALEMA