Compartilhe essa Notícia:


“A assistência social não serve só para tirar fotos e fazer desfiles em datas comemorativas, é necessária ações mais enérgicas”, disse.

Klebinho Branco
 
Klebinho Branco, proprietário da Rádio FM Cidade de Pedreiras e comentarista da emissora, fez hoje uma reflexão bastante lúcida e bem oportuna sobre a agressão que uma mulher sofreu na rodoviária de Pedreiras na última segunda-feira, dia 17. Sem dúvida, um dos melhores comentários de Klebinho Branco na emissora e que temos a satisfação de repercutir para nossos leitores em razão da profundidade em que foi tratado o tema.

Veja o que disse hoje Klebinho Branco sobre o espancamento sofrido por uma mulher em situação de vulnerabilidade.

Mais um vez Pedreiras protagoniza uma situação lastimável como essa, algo que expõe o nosso município. Segundo informações, os dois são até moradores de rua, pessoas que tem uma vida socialmente instável, mas que de certa forma não justifica nada.”

“A filmagem mostra exatamente essa ferida aberta que temos em nossa cidade com relação à assistência social, área que não serve só para tirar fotos e fazer desfiles em datas comemorativas, mas que é necessária para ações mais enérgicas, principalmente em setores importantes, que agora estão mais fragilizados por conta da pandemia. Porém, o período atual não justifica qualquer desacerto nas ações que deveriam vir sendo praticadas.”

“A gente fica indignado porque, infelizmente, as pessoas não tomam nenhuma providência ali, mas ao mesmo tempo, quem vai em sã consciência separar uma briga dessa? À primeira vista a gente nem sabe se as agressões foram feitas com chinelo, pedaço de pau ou uma faca, então, as pessoas que ficam próximas sentem um pouco de pânico também em ver aquela cena de espancamento, é algo deplorável de se ver. É difícil alguém tomar uma atitude, porque não dá para saber o  que o agressor pode fazer.”

“O interessante também é que, na hora que o agressor se aproxima de uma barraca, as pessoas intervém, isso porque ele estaria destruindo um patrimônio de alguém que está por ali. É uma mentalidade de "desde que não mexam na minha propriedade não tomarei iniciativa". Essas coisas nós temos que rever.”

Klebinho Branco comentarista na bancada do Programa Tribuna 101 

“Outro detalhe que acho importante é que a Guarda Municipal deveria estar também preparada e passar por treinamentos para lidar com isso, porque ali é um local de bastante fluxo, onde ocorre entrada e saída de veículos. Se não pode ser a Guarda Municipal, que seja pelo menos algum serviço de segurança, coisa que toda rodoviária que se preze tem que ter.”

“São questões que tem de ser levadas ao conhecimento da sociedade, para que os moradores exijam algo assim. Qualquer pessoa pode presenciar uma ação dessa, imagine alguém descontrolado com uma faca na mão numa rodoviária? Quem teria coragem de intervir? Está faltando segurança pelo menos para intimidar.”

“Ainda bem que tem essa filmagem, nem temos como saber se é da rodoviária ou de algum comerciante. De qualquer forma, acredito sim que o município poderia interferir e ajudar a melhorar. Até porque o município arrecada com os alugueis da rodoviária e do mercado também.”

Mais

Homem dá uma surra violenta em mulher na Rodoviária de Pedreiras


Homem que agrediu a companheira na Rodoviária de Pedreiras foi liberado mas irá responder pelo ato


⬇️⬇️ COMENTE AQUI ⬇️⬇️

4 Comentários

  1. Quem é louco de se meter em briga de drogados

    ResponderExcluir
  2. Verdade, quem é louco de separar o casal de drogados? de qualquer maneira eu concordo em parte com Klebinho, concordo na parte em que deveria ter um guarda municipal na rodoviária, afinal, é necessário seguraça ali. e não foi o drogado que derrubou a banquinha do trabalhador, foi a drogada mesmo, que surtada quis derrubar a barraca do coitado

    ResponderExcluir
  3. A Noiada aí levou foi umas lapadinhas de chinelo, não foi nem esse "espancamento" que estão alardeando, no vídeo vemos que ela está nua aí ele começa a dar lapadas de chinelo nela

    ResponderExcluir
  4. Brasileiro evidenciando nossa essência: terceirizando nossa responsabilidade.

    ResponderExcluir

Informe da ALEMA