Compartilhe essa Notícia:

De 2019 a 2020, as autoridades da SEIC, com as ações desenvolvidas contra empresas e condomínios que vinham desviando energia elétrica, recuperaram grandes valores


Cerca de 15 milhões de reais foram recuperados e voltaram aos cofres do tesouro estadual, através das ações desenvolvidas pela Polícia Civil, no combate ao desvio de energia elétrica no estado do Maranhão.

No período do segundo semestre de 2019 e primeiro de 2020, as autoridades do Departamento de Combate ao Furto de Energia da Superintendência Estadual de Investigações Criminais – SEIC, com as ações desenvolvidas contra empresas e condomínios que vinham desviando energia elétrica, conseguiram recuperar para a concessionária Equatorial, nada menos que R$ 75 milhões, dos quais R$ 15 milhões concerne sobre os tributos que estavam deixando de pagar ao Estado.

O delegado Paulo Roberto Carvalho, titular do Departamento, disse que o desvio de energia elétrica, através dos furtos é um problema muito mais grave do que se imagina e que prejudica toda a população, visto que a agência reguladora, quando já constatado o desvio, faz o rateio dos prejuízos entre os consumidores que pagam pelos crimes praticados pelos autores. “Todo mundo consumidor paga pela energia desviada”, afirmou o delegado. E isso se dá através de resolução da Anaeel, que determina esta energia perdida, sem a contrapartida, é sobre taxada para os consumidores em geral.

Ele disse ainda  que os desvio de energia não se dá apenas pelos que se utilizam  de meios fraudulentos, mas também pela invasões que instalam “gambiarras” para se utilizar da energia elétrica sem pagar. O delegado Paulo Roberto afirmou que de todo o Brasil, na região estão 60%  dos autores destes desvios, o que não se verifica nas regiões Sul e Sudeste, onde, até mesmo nas favelas, os consumidores tem os seus medidores instalados nas suas casas, consumindo a energia de forma legal.

Conforme o delegado , os moradores das invasões  que se utilizam das gambiarras, acabam se prejudicando, visto que, poderiam regularizar seu consumo dentro dos parâmetros do consumidor de baixa renda e pagar uma importância irrisória, e se beneficiar  com a ajuda do governo e da própria concessionária, que constantemente promove distribuição de geladeiras para esta faixa de consumidores e outras ajudas.

A etapa Pandemia II, realizada em julho,  se estendeu para o interior do  estado, em Pinheiro e outras cidades da Baixada, Santa Inês e Zé Doca. A última etapa foi realizada em Chapadinha, Caxias e Timon. Se estendendo de Bacabal até Pedreiras, onde a Polícia constatou seis hotéis com fraudes muito sofisticados dentro dos medidores digitais.

Com relação às fraudes no sistema de distribuição de àgua, o trabalho da Polícia é muito prejudicado, tendo em vista que somente 17% do universo de consumidores possui hidrômetro. “Dessa forma, o trabalho da fiscalização se concentra nos grande condomínios”, disse o delegado Paulo Roberto.

⬇️⬇️ COMENTE AQUI ⬇️⬇️

2 Comentários

  1. Se o consumidor paga pela a energia desviada! Então a companhia não ta tendo prejuízo, pelo o contrário, ela faz é gostar do roubo, pq pelo o que foi dito, ela está recebendo duas vezes a mesma conta , o certo é dividir essa quantia com quem pagou sua energia regularmente!

    ResponderExcluir
  2. Tem muita gente boa q vai ser preso em pedreiras, depois vão se lamentar na frente do juiz

    ResponderExcluir

Informe da ALEMA