quinta-feira, 10 de maio de 2018

Barra do Corda Justiça recebe pedido para soltar júnior do Nenzim


 
Os advogados de Manoel Mariano Filho(o Júnior do Nenzin) entraram com um pedido no dia 30 de abril perante o juiz Iran Kurban Filho da segunda vara da comarca de Barra do Corda, para que a prisão preventiva do mesmo seja suspensa pela falta de provas contra o acusado em todas as perícias realizadas pela Polícia Civil do Maranhão.

Segundo o Advogado Dr Carlos Morais, as perícias realizadas no carro, nas mãos e nas roupas de Júnior, não comprovaram presença de pólvoras ou chumbo e com isso, se torna inadequada e injusta a continuidade de Júnior do Nenzin preso, sem que nada comprova sua participação no crime.

O juiz já enviou o pedido para que o Ministério Público(autor da denúncia) emita o parecer, algo que já ocorreu e o pedido se encontra na mesa do juiz para decisão e a mesma pode ser publicada a qualquer momento.

Dr. Carlos afirmou ao Blogueiro Gildásio Brito, que perante o Código de Processo Penal atual, Júnior do Nenzin não pode ficar preso um dia sequer a mais e acredita que o juiz Iran Kurban Filho cumprirá com o que diz a lei.

Do Blog do Maciel Silva

8 comentários:

  1. O cara matou o próprio pai...

    ResponderExcluir
  2. Se soltar ele ... pode soltar todos que estão presos... Não sei quem matou é nem vou julgar... Mas é comprovadamente que cara andou com o pai agonizando. . O diabo é muleke mesmo...

    ResponderExcluir
  3. Esse cara um louco mata o papai

    ResponderExcluir
  4. Se esse sujeito for solto,a justiça pode mandar abrir as portas de todas prisões do Maranhão,e liberar todos bandidos e assassinos do Estado!

    ResponderExcluir
  5. vai sobrar pru vaqueiro, se ele não é culpado, pq mandou eliminar provas mandano lavar o carro?, se soltar este cara, pode demolir as pedrinhas

    ResponderExcluir
  6. Um negócio desse era para os próprios presos não deixar passar um crime desse e muito pior q estupro.
    Pai e Mãe e sagrado senhores presos revejam esse código de ética de vcs.
    Deem um fiz nesse amaldiçoado.

    ResponderExcluir
  7. Um negócio desse era para os próprios presos não deixar passar um crime desse e muito pior q estupro.
    Pai e Mãe e sagrado senhores presos revejam esse código de ética de vcs.
    Deem um fiz nesse amaldiçoado.

    ResponderExcluir